Trabalhadores criticam desmandos do Judiciário e fazem atos em defesa de Lula

Segunda, 16 Julho 2018 10:20

Rosely Rocha / Para Portal CUT - Centenas de trabalhadores e trabalhadoras caminharam do centro de Porto Alegre (RS) até a sede do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), na tarde desta sexta-feira (13), para pedir a liberdade do ex-presidente Lula, mantido como preso político desde o último dia 7 de abril na sede da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba.

A manifestação, que contou com a participação de diversas categorias de trabalhadores, como bancários, petroleiros, servidores e professores, faz parte do Dia Nacional de Mobilização contra os desmandos do TRF4 e do juiz Sergio Moro. Em outros estados, a população também foi às ruas em defesa do ex-presidente.

No ato em frente ao TRF4, os dirigentes da CUT, dos movimentos sociais e de partidos políticos repudiaram as manobras jurídicas realizadas por Moro e pelos desembargadores João Gebran Neto e Carlos Thompson Flores, do TRF4, que não respeitaram a decisão judicial proferida pelo desembargador Rogério Favreto no último domingo (8) e mantiveram o ex-presidente Lula preso.

Presente no ato de Porto Alegre, o presidente da CUT Nacional, Vagner Freitas, disse que a desobediência de Moro a um superior é um fato perigoso para a democracia, para cada trabalhador, empresário, jovem, criança ou idoso.

Segundo ele, se Lula, conhecido em todo o mundo e cotado até mesmo para receber um Nobel da Paz, é tratado dessa forma, situações muito mais graves podem acontecer com qualquer cidadão, sobretudo nas periferias do Brasil afora.

“É a segurança de todos que está em risco. É a do pobre, dos negros e das mulheres, que sempre foram tratados de forma desumana e podem sofrer ainda mais com a perda de espaço na democracia, pois o Brasil não vive mais num Estado Democrático de Direito”, alerta o presidente da CUT.

Para Vagner, a ação de Moro e do TRF4 no último domingo foi política e interesseira. “Eles manobraram para manter o ex-presidente preso, levando em consideração não o que manda a Constituição, mas o que a liberdade de Lula acarretaria nas eleições presidenciais. É essa denúncia que fazemos”, ressalta.

Para o presidente da CUT, diante da perseguição à maior liderança popular do Brasil – líder em todas as pesquisas eleitorais - e dos desmandos que tomaram conta do país pós-golpe 2016, a sociedade brasileira precisa se levantar e ir às ruas.

Ele convoca a classe trabalhadora e toda a população a se mobilizar no Dia 10 de agosto, “Dia do Basta”, e no dia 15 de agosto, data em que a candidatura de Lula à presidência será registrada em Brasília.

“Dia 10 de agosto será o Dia Nacional do Basta, dos trabalhadores e trabalhadoras se manifestando contra o desemprego, a favor dos direitos trabalhistas e pela liberdade de Lula, único candidato capaz de revogar todos os atos desse governo golpista e ilegítimo, que não representa o povo”, avisa o presidente da CUT.

“E dia 15 de agosto tomaremos as ruas de Brasília, com milhares de pessoas acompanhando o registro da candidatura de Lula à presidência”, finaliza.

Manifestações em todo o país

Na capital de Goiás, os manifestantes fizeram uma panfletagem na Praça dos Bandeirantes contra os desmandos do Judiciário e em defesa de Lula livre.

Em Recife (PE), o ato foi na Praça do Derby, onde a militância panfletou a carta de Lula ao povo brasileiro no Mercado da Boa Vista, na capital pernambucana.

Em Fortaleza (CE), a militância realizou uma panfletagem, promovida pelo PT e pela Frente Brasil Popular, na Praça da Bandeira, e depois saiu em caminhada pelo centro da capital cearense até a Praça do Ferreira.

No Rio de Janeiro, o ato em prol de Lula livre foi na Cinelândia, no centro da cidade.

E em Salvador (BA) a manifestação por Lula livre ocorreu no início da noite no Largo da Dinha, no bairro do Rio Vermelho. No Pará, a manifestação também foi na noite desta sexta-feira (13), na capital Belém, na Avenida Generalíssimo Deodoro, entre as ruas Bernal de Couto e Oliveira Belo.

Em Lisboa, capital de Portugal, a manifestação foi na Praça Camões. Ao som de saxofone, os manifestantes pediram “Lula Livre”.

[Foto: Protesto em Porto Alegre, em frente ao TRF4 / CUT-RS]

 

 

 

Avalie este item
(0 votos)

Sede MacaéMacaé

Rua Tenente Rui Lopes Ribeiro, 257 Centro - CEP 27910-330 Telefone: (22) 2765-9550

Sede CamposCampos

Av. 28 de Março, 485 Centro - CEP 28.020-740 Telefone: (22) 2737-4700