Só mobilização freará o fascismo do Judiciário

Sexta, 05 Janeiro 2018 07:41

CUT - O advogado e deputado federal Wadih Damous (PT/RJ) afirmou nesta quarta-feira (3) que somente a forte mobilização popular será capaz de garantir o direito de o ex-presidente Lula ser candidato em 2018, de o Brasil resgatar a democracia e ainda contribuir para que os poderes públicos cumpram o seu papel constitucional. 

“O fascismo vem tomando conta do Judiciário desde os processos do mensalão. Veio num crescendo e recrudesceu agora, com a Operação Lava Jato”, criticou o parlamentar, ao comentar a necessidade de que haja uma grande manifestação em Porto Alegre no próximo dia 24, data do julgamento em segunda instância, no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), do recurso do ex-presidente Lula contra condenação do juiz Sérgio Moro no caso do triplex do Guarujá. 

Para Damous,  “esse processo penal se transformou em espetáculo e em instrumento de perseguição político-judicial-midiática contra o presidente Lula”. Segundo ele, “não se trata de saber se há ou não há crime. E não existe outra razão senão esta para a grande mobilização que deve ser promovida em Porto Alegre e em todo o país”.

A CUT, os movimentos sociais e partidos políticos de esquerda estão organizando caravanas a Porto Alegre, onde haverá uma grande vigília para acompanhar de perto o julgamento no TRF-4, e uma série de atividades em todo o país a partir do próximo dia 15.

Na avaliação do deputado – que já foi presidente da sessão carioca da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RJ) e presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB Nacional –, o Judiciário está tomado pela politização indevida e o Ministério Público Federal também se mostra cada vez mais “fascista, gozando de autonomia exacerbada”. 

Por isso, Damous ressaltou que não se mostra otimista com o desenrolar do processo penal contra Lula. “Meu otimismo é com a mobilização crescente para garantir que o presidente Lula tenha o direito de ser candidato e para que a soberania popular seja respeitada”, afirmou.

Sobre a possibilidade de o ex-presidente ser ouvido pelo TRF-4 no dia 24, como solicitou seus advogados de defesa, o parlamentar disse que “não há permissivo legal que possa ser usado para isso, mas como todos os ritos legais estão sendo negligenciados pelo Judiciário, o pedido da defesa pode até ser acatado”.

Para o deputado, só com mobilização popular será possível frear esta onda fascista e politizada do Judiciário. “É preciso também fazer com que o Poder Legislativo não continue sendo uma instância acovardada do Poder Judiciário. Precisamos aprovar a lei de abuso de autoridade e o projeto (de minha autoria) que transforma em improbidade administrativa todo recebimento de verbas acima do teto constitucional”, pontuou. 

Avalie este item
(0 votos)

Sede MacaéMacaé

Rua Tenente Rui Lopes Ribeiro, 257 Centro - CEP 27910-330 Telefone: (22) 2765-9550

Sede CamposCampos

Av. 28 de Março, 485 Centro - CEP 28.020-740 Telefone: (22) 2737-4700