Laboratórios em Macaé dizem que Petrobrás não paga e se negam a fazer exames pela AMS

Quinta, 19 Outubro 2017 16:31

O descaso da Petrobrás com a vida voltou a causar transtornos aos usuários da AMS, a assistência médica à categoria petroleira. O Sindipetro-NF tem recebido relatos de problemas na autorização dos procedimentos. "Está havendo uma precarização da AMS que não vamos admitir", denuncia o coordenador geral do Sindipetro-NF, Tezeu Bezerra.

Um dos casos acompanhados pelo NF é o de um petroleiro aposentado que, após fazer cirurgia de próstata, levou material para fazer biópsia em laboratórios de Macaé e o pedido foi recusado. Os laboratórios alegam que o pagamento não está sendo realizado. Outro petroleiro levou mais de 15 dias para conseguir uma autorização.

Bezerra explica que esta precarização é um alerta sobre o quanto a Petrobrás quer piorar o acesso da categoria a benefícios consolidados há anos. No caso da AMS, pelo Acordo Coletivo de Trabalho, o prazo para autorizar procedimentos é de cinco dias, o que a companhia está descumprindo. Pelas regras da ANS (Agência Nacional de Saúde), que é parâmetro que a empresa quer passar a adotar, o tempo máximo de espera é de 21 dias.

"É por isso que não podemos aceitar nenhum direito a menos. Entre os cortes que a Petrobrás quer fazer no ACT está esse, de tirar as cláusulas de AMS e passar tudo para o regimento da ANS, precarizando o serviço", denuncia o coordenador do NF.

O sindicato pressiona a Petrobrás para solucionar os casos relatados à entidade, mas entende que não são isolados. Outros relatos podem ser enviados para O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .

 

Avalie este item
(0 votos)

Sede MacaéMacaé

Rua Tenente Rui Lopes Ribeiro, 257 Centro - CEP 27910-330 Telefone: (22) 2765-9550

Sede CamposCampos

Av. 28 de Março, 485 Centro - CEP 28.020-740 Telefone: (22) 2737-4700