NF cobra solução para problemas com EPIs e ligações telefônicas em Pargo

Quinta, 14 Dezembro 2017 14:44

Petroleiros e petroleiras da plataforma de Pargo (PPG-1), na Bacia de Campos, enfrentam duas situações graves que tiveram soluções cobradas pelo NF, nesta semana, à Petrobrás: a escassez de EPIs (Equipamento de Proteção Individual) para empregados de uma empresas contratada, e limitações e constrangimentos no recebimento de ligações telefônicas. 

Os problemas foram identificados durante embarque do sindicato para reunião da Cipa da unidade, na última terça-feira. De acordo com o diretor Marcelo Nunes, que representou o NF no embarque, um dos casos, sobre o EPI, consta como pendência de Cipa há pelo menos seis meses e não foi resolvido.

A escassez de EPIs atinge os trabalhadores da empresa Imetame, de construção e montagem. Muitos atuam com botas furadas, macacões impregnados de óleo e até óculos danificados. Cobrada pelo NF, a área de SMS da Petrobrás afirmou que vai acionar os fiscais de contrato da companhia para que cobre providências da empresa contratada.

O próprio diretor sindical verificou a bordo, no entanto, que a empresa contratada dificulta o acesso aos EPIs, exigindo que os trabalhadores façam a reposição na sede, em terra — quanto deveria ela própria fornecer os equipamentos na unidade.

Constrangimento nas ligações telefônicas

Para agravar as restrições de comunicação em uma plataforma antiga, com acesso muito restrito à internet, a gerência orienta o operador de rádio a não repassar ligações telefônicas para os trabalhadores. Há até relato sobre um empregado que não conseguiu ser informado sobre o falecimento de um parente.

Também cobrada pelo NF, a área de SMS da Petrobrás negou que exista proibição para transferir ligações, apenas admitiu que há uma política na unidade de transferir inicialmente para encarregados ou supervisores - e estes chamam os trabalhadores para o atendimento.

Para o NF, este é um constrangimento inadmissível — ter ligações pessoais filtradas por encarregados ou supervisores. O sindicato recebeu relatos de que há até muitos trabalhadores que, em razão dessa política, pedem aos familiares que não telefonem para eles no período de embarque, temendo represálias dos chefes.

O sindicato cobra da Petrobrás a resolução imediata destes casos que deterioram a ambiência a bordo e comprometem gravemente a segurança no trabalho.

 

Avalie este item
(0 votos)

Sede MacaéMacaé

Rua Tenente Rui Lopes Ribeiro, 257 Centro - CEP 27910-330 Telefone: (22) 2765-9550

Sede CamposCampos

Av. 28 de Março, 485 Centro - CEP 28.020-740 Telefone: (22) 2737-4700