Ato em Imbetiba faz homenagem aos petroleiros mortos pela Covid-19 nos dois anos da pandemia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Petroleiros e petroleiras da base de Imbetiba, em Macaé, foram recebidos no início da manhã de hoje para o trabalho, no portão da Praia Campista, por um ato público do Sindipetro-NF para marcar os dois anos da pandemia da Covid-19.

A atividade utilizou balões brancos para representar as vidas perdidas no setor petróleo, banneres com homenagens às vítimas e distribuição de Boletim Nascente Especial com as ações do sindicato contra o negacionismo da Petrobrás.

Familiares de algumas das vítimas fatais da Covid-19 entre os petroleiros participaram do ato. A bancária Gisela Figueiredo de Souza, que perdeu o esposo para a doença em 21 de agosto do ano passado — o petroleiro aposentado Robson de Azevedo Rocha, 64 anos —, falou em nome das famílias para parabenizar o sindicato pela iniciativa e lembrar que a vigilância continua a ser essencial.

“Esse é um ato justo e muito bacana, no sentido de que é muito mais de conscientização dos trabalhadores. Não é só ele que pode ser infectado, mas também os seus parentes, amigos, colegas. Todos podem fazer a sua parte, como o Sindipetro está fazendo”, disse Gisela.

Hoje acontece o retorno de 100% do pessoal administrativo ao trabalho presencial nas bases da Petrobrás. O coordenador geral do sindicato, Tezeu Bezerra, orientou a categoria a manter o uso de máscaras e a rotina de testagens, mesmo com o fim da obrigatoriedade no município, para continuar a prevenção. “Recomendamos continuar com esses cuidados, porque a vida é o bem maior”, afirma.

Medidas do sindicato

O boletim especial preparado para o ato (disponível aqui) traz as medidas que o Sindipetro-NF tomou, como criação de um protocolo de prevenção, que viria a ser referendado pela Fiocruz e pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), cobrança por transparência da Petrobrás, distribuição de máscaras de qualidade para os trabalhadores e parceria com IFF para produção de sabonete líquido para comunidades em vulnerabilidade social.

Além disso, o sindicato manteve solicitações às prefeituras por fiscalização nos aeroportos e no Heliporto do Farol, foi vigilante as cobranças por melhorias de condições dos hotéis utilizados em quarentenas, realizou a Greve pela Vida, disponibilizou testagem para a categoria, fez denúncias à imprensa e a órgãos fiscalizadores sobre surtos nos locais de trabalho, participou de audiências públicas e moveu ações jurídicas contra a empresa.

Confira imagens do ato de hoje:

 

[Fotos: Rui Porto Filho / Para Imprensa do NF]