Brasil ultrapassa a trágica marca das 500 mil vidas perdidas para a Covid-19

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

[imprensa CUT] No dia em que os brasileiros saíram e continuam saindo às ruas, se arriscando porque pior que o vírus é o presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL), negacionista, que chama a pandemia do novo coronavírus de ‘gripezinha’ e demorou meses para comprar as vacinas contra a Covid-19, o Brasil ultrapassou a trágica marca de mais de 500 mil pessoas mortas.

Enquanto milhares de pessoas estavam nas ruas pedindo vacina para todos  e todas e o fim da fome – vacina no braço, comida no prato – e gritando ‘fora, Bolsonaro’, às 14h15 deste sábado (19), o país registrou 1.401 mortes e 20.483 novos casos da doença, elevando o total de óbitos para 500.022, e o de casos, para 17.822.659, segundo dados das secretarias de Saúde coletados pelo consórcio de imprensa.

Esse número é sete vezes a capacidade da Marques de Sapucai, a passarela do samba carioca, segundo o UOL. É como se as pessoas centenas de municípios brasileiros tivessem morrido, diz o portal, lembrando que apenas 49 dos 5.570 muncipios do país têm mais de 500 mil habitantes.

Para além dos números, são mães, pais, filhos, irmãos, tios, primos, amigos e colegas de trabalho morrendo por falta da vacina e isso foi cobrado do presidente nas ruas do país.