Brigada petroleira: FUP e FNP em defesa da Petrobrás em Brasília

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Das Imprensas da FUP e do NF – A Brigada Petroleira da FUP e da FNP está em Brasília nesta semana, conversando com lideranças políticas para defender a Petrobrás contra o plano de privatização que o governo Bolsonaro articula com o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL).

Iniciado na terça, 7, o calendário de mobilizações na capital federal prossegue até esta sexta, 10, e será retomado na próxima semana. Essa ação conjunta das federações é mais um passo da busca pela unidade da categoria, conforme resoluções aprovadas nos últimos fóruns deliberativos da FUP e da FNP.

Além das ações no Congresso Nacional, a brigada petroleira também irá acompanhar o julgamento da Greve da PBio e da ação das tabelas de turno na Seção de Dissídio Coletivo do Tribunal Superior do Trabalho (TST).

Principais atividades da Brigada

Entre as atividades previstas para esta semana estão conversas com deputados da minoria sobre os projetos que estão em debate na Câmara dos Deputados, como o PL 3677/2021, que cria a transparência e as regras de composição de preços de derivados de petróleo praticados pela Petrobrás, de autoria de deputado Reginaldo Lopes (PT/MG).

A brigada petroleira também discutirá com os parlamentares requerimentos de audiências públicas que tratam das privatizações na Petrobrás e da política de preços dos combustíveis.

Atividades da próxima semana

Para a semana que vem está previsto o julgamento da Greve da PBio e da ação das tabelas de turno na Seção de Dissídio Coletivo do Tribunal Superior do Trabalho (TST), no dia 13, a partir das 9h.

Também está na agenda a Audiência Pública na Comissão de Direitos Humanos do Senado para debater e lançar o livro “O futuro é público”, dia 14, às 10h30.

No dia 15, a brigada petroleira participará da Audiência Pública na Comissão de Desenvolvimento Regional, Integração Nacional e Amazônia (Cindra) da Câmara dos Deputados sobre as ilegalidades e impactos da privatização da Reman, às 14h30.