CUT divulga pesquisa sobre poder aquisitivo dos metalúrgicos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

 

CUT divulga pesquisa sobre poder aquisitivo dos metalúrgicos
Sergio Santos – Imprensa da CUT
 

O presidente da CUT Nacional, Luiz Marinho, divulga hoje os resultados de pesquisa realizada pela Confederação Nacional dos Metalúrgicos e pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, filiados à CUT.

A pesquisa sobre poder de compra e renda dos metalúrgicos mostra que o custo de vida nas cidades onde as novas fábricas de automóveis se instalaram chega a ser mais alto do que no estado de São Paulo.

O estudo foi feito pelas subseções do DIEESE, em 17 municípios que têm indústrias automobilísticas. Durante 15 meses, os técnicos pesquisaram 151 produtos e serviços e compararam a renda do trabalhador dessas cidades com seu poder de consumo.

Inédito, o estudo sobre rendimentos e poder de compra dos metalúrgicos derruba a tese de que os salários fora do estado de São Paulo podem ser mais baixos porque o custo de vida é menor em outras regiões do país. Na verdade, a remuneração dos trabalhadores de algumas dessas cidades é muito menor do que o necessário para a aquisição de vários itens da lista dos produtos e serviços pesquisados.

Uma das surpresas da pesquisa: no caso de alguns grupos de produtos, os preços nas regiões tradicionais como ABC e o Vale do Paraíba são até mais baixos do que os das novas regiões.

A pesquisa mostra ainda quantas horas os metalúrgicos de cada uma das cidades têm que trabalhar para comprar do pão francês ao carro popular ou um terreno.

O objetivo da pesquisa é dar subsídio à categoria para a negociação nacional por melhorias nas condições de trabalho e renda. Um dos itens do estudo propõe uma reflexão visando à elaboração de uma política de equiparação salarial e de padronização do poder aquisitivo dos metalúrgicos, visando o Contrato Coletivo Nacional de Trabalho para o setor.