Diretoria do NF reforça chamado às assembleias contra fim dos acordos regionais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

A categoria petroleira em todo o país segue mobilizada e acompanhando atentamente as discussões que envolvem o Acordo Coletivo de Trabalho de todo o sistema Petrobrás. No Norte Fluminense, no entanto, além da discussão dos direitos em nível nacional, uma grande mobilização está em curso para garantir direitos regionais que a gestão da companhia ameaça extinguir: o Dia de Desembarque, o Turno de Manutenção e o Auxílio Deslocamento.

Neste cenário, a diretoria do NF reforça o chamado aos petroleiros e petroleiras que estão embarcados nas plataformas da região, para que façam assembleias até o próximo domingo, 14 (com retorno das atas até às 12h da segunda, 15) para avaliar os indicativos de “Rejeição a proposta apresentada pela Petrobrás para extinguir os acordos regionais sobre o Dia de Desembarque e Turno de Manutenção, e limitar a abrangência do Auxílio Deslocamento”, “Aprovar a continuidade da mesa negocial para a renovação do Acordo Coletivo Regional que regula e estipula condições sobre: o Dia de Desembarque; o Auxílio Deslocamento e o Turno de Manutenção”, e “Escolha e aprovação de cinco delegados por plataforma para participação em seminário que acontecerá no dia 24 de agosto de 2022”.

O reforço no chamado à participação nas assembleias foi feito na noite de ontem, no programa NF ao vivo, que teve participação dos diretores Alexandre Vieira, Tezeu Bezerra e Tadeu porto, na conversa moderada pelo jornalista Vitor Menezes. Bezzerra, coordenador geral do sindicato, destacou o quanto a categoria deve se manter altiva e indignada neste momento.

“Façam as assembleias, que têm até domingo para acontecer. E não deixem de se indignar e de passar na cara daqueles que estão indo contra o que nós estamos indicando: ´você está ajudando a entregar direitos da classe trabalhadora. Você está ajudando a privatizar a Petrobrás. Você devia ter vergonha de estar fazendo isso´. Nós, trabalhadores que lutamos por uma Petrobrás digna, soberana e que serve ao povo brasileiro, nós estamos do lado certo da história e não vamos nos alinhar, jamais, com uma gestão bolsonarista que aí está”, disse o sindicalista.

O diretor Alexandre Vieira também provocou a categoria, mostrando que não há direitos absolutos: “não existe direito em lugar nenhum. Se bobear eles voltam com a escravidão para chicotear os negros. Existem conquistas. O 14×21 do empregado Petrobrás foi conquista. Custou contracheque zerado. O Dia do Desembarque foi conquista. Custou greve, custou desconto para o povo. Nada é direito, tudo é conquista e se você não luta eles vão lá e tiram”.

“A gente tem que avançar e fazer o nosso dever de casa. O dever de casa para quem está à bordo das plataformas, hoje, referente ao Acordo Regional, qual é? Lotar as assembleias e enviar [as atas] para o sindicato. Esse é o passo para a gente chegar lá [na gestão] e dizer: ´olha o peso que vocês estão querendo lidar. É isso mesmo que vocês querem?´ Fica aí o recado para a categoria. É luta. É conquista e a gente tem que fazer o nosso dever de casa de fazer as assembleias”, conclamou Vieira.

Tadeu porto, além de também reforçar o chamado às assembleias, demonstrou que a Petrobrás não tem argumentos para tentar tirar direitos em um momento que distribui um lucro bilionário aos acionistas e que, no fundo, trata-se de uma questão política. “Essa é uma oportunidade muito boa para nossa categoria refletir sobre esse papo de que não existe política, não existe ideologia, essas coisas. Porque nos argumentos técnicos não têm a mínima condição da empresa defender essa proposta. Qualquer aluno de quarta série com um caderninho refuta os números da empresa. É só parar para pensar. Estamos negociando acordo que pode valer no máximo dois anos, é pacote fechado. A empresa tem os valores na mão. Do quanto ela gasta com o Auxílio Deslocamento, o quanto ela gasta com o turno na Bacia de Campos, o tanto que ela gasta com o Dia do Desembarque. Ela pode [dizer] que gasta xis milhões de reais com isso, com vocês que estão aí abrindo e fechando válvulas, com o barril a 100 dólares e dando um lucro de 100 bilhões de reais”, disse o diretor.

Participe toda semana

O programa NF ao Vivo é uma interação do Sindipetro-NF com a categoria petroleira todas as quartas-feiras, às 19h30. Diretores, assessores e outros convidados esclarecem pelo Facebook e pelo Youtube os principais temas da semana. No dia seguinte à edição ao vivo, uma versão editada em podcast também fica disponível na Rádio NF.