Gestão da Petrobrás zomba da fiscalização e mantém P-51 em operação mesmo com heliponto interditado

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Passadas mais de 48 horas do acidente com uma aeronave no heliponto da plataforma P-51, na Bacia de Campos, a Petrobrás mantém a unidade em produção e os petroleiros e petroleiras sob risco ao não contarem com acesso a um voo de emergência em caso de necessidade. Esta situação contraria a Norma Regulamentadora 37 (NR-37).

A norma prevê que “a operadora da instalação e as empresas prestadoras de serviços devem adotar medidas que visem à promoção, à proteção, à recuperação e à prevenção de agravos à saúde de todos os seus trabalhadores a bordo, de maneira a compreender ações em terra e a bordo”.

No caso de atendimento emergencial, “o resgate realizado por aeronave do tipo Evacuação Aeromédica – EVAM, a aeronave e a tripulação devem estar prontas para decolar em até 30 (trinta) minutos após o seu acionamento pelo médico regulador, sendo que tempos superiores a 30 (trinta) minutos devem ser justificados pela operadora da instalação; entretanto, o prazo para a decolagem não pode exceder a 45
(quarenta e cinco) minutos”.

“Como o heliponto está interditado, ele não está garantido para a P-51 o tempo para resgate aeromédico. A empresa está ignorando a norma e zombando da SRTE [Superintendência Regional de Trabalho e Emprego] e do MPT [Ministério Público do Trabalho], que são os órgãos fiscalizadores”, afirma o coordenador do Departamento de Saúde do Sindipetro-NF, Alexandre Vieira.

O acidente

O acidente aconteceu na manhã de sábado, 21, por volta das 7h, com o helicóptero da Omni táxi aéreo, prefixo PR-OHE, modelo S92. A aeronave retornava do voo de troca de turma do horário de 6h45, após a decolagem na P-51 com destino ao Farol de São Tomé o equipamento apresentou problemas técnicos quando levantava voo, a cerca de 1m de altura, e se chocou ao helideck, onde está até agora. Não houve feridos.