Menu fechado

Ineep estima que Petrobrás amargue prejuízo superior a R$ 7 bilhões neste segundo trimestre

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Da assessoria do Ineep]

A Petrobras divulga nesta quinta-feira (30/07) o balanço dos seus resultados operacionais e financeiros do segundo trimestre de 2020. A expectativa do Ineep é que a companhia será fortemente afetada pelos impactos da crise do covid-19, em virtude da queda do preço do petróleo (cerca de 40% em relação ao mesmo período do passado), que provocou queda na receita de exportação, e da redução do volume de vendas dos derivados no mercado interno. Nem mesmo o aumento das receitas de exportação de derivados, sobretudo o óleo combustível de tipo bunker, conseguiu reverter os resultados negativos.

Segundo estimativas do Ineep, a expectativa é de que a empresa deva registrar prejuízo líquido em torno de R$ 7,1, bilhões, que representa uma queda de 137% em relação ao mesmo período no ano. Caso não haja receitas ou despesas extraordinárias não anunciadas previamente ou alguma reversão do elevado impairment (valor de recuperação de ativos) de R$ 65,3 bilhões, realizado no 1º trimestre de 2020, em virtude da melhora nas expectativas do preço futuro do petróleo Brent.

Em relação ao EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), a previsão é de que o resultado negativo chegue a algo próximo a R$ 21,3 bilhões, montante, que comparado a 2019, poderá representar uma queda de 34%.

Esse provável resultado acontecerá, em boa medida, devido à queda expressiva nas receitas de vendas (retração de cerca de 27%, segundo estimativas do Ineep), sobretudo no mercado interno. Resultado dos impactos mais agudos da crise do Covid-19 no país, o encolhimento significativo nas receitas de vendas da Petrobras deve ser puxado, de um lado, pela queda abrupta no volume de vendas da companhia para o mercado interno (de 2,05 milhões bpd no 2T/19 para 1,74 milhão bpd no 2T/20). Esse aspecto acompanhado pela redução dos preços dos combustíveis (sobretudo no diesel, gasolina e querosene para aviação) deve fazer com que a receita de vendas internas despenque para algo em torno de R$ 33,6 bilhões, um tombo de mais 39% quando comparado ao mesmo período do ano passado.

De outro lado, o aumento no volume de exportação de petróleo e derivados tende a suavizar os impactos negativos da queda de receitas no mercado interno, mas não será suficiente para compensar as perdas internas. Isso porque, embora o volume de exportações de petróleo e derivados da Petrobras tenha saltado de 59% quando comparado a 2019 (de 606.000 bpd no 2T/19 para 962.000 bpd no 2T/20), – o preço de exportação também sofreu retração no período em reais (de 41%, no caso do petróleo, e 6% entre os derivados). Com isso, o Ineep estimou que as receitas do mercado externo fiquem em um patamar próximo a R$ 19,1 bilhões, cifra 12% superior ao registrado no ano passado, mas 27% menor que o observado no primeiro trimestre.

Cabe observar que essa redução nas receitas de vendas de exportação foi fruto da redução tanto no preço como na quantidade exportada de óleo cru. Isso mostra a dificuldade em realizar (vender) esse petróleo no mercado mundial em virtude dos efeitos da queda da demanda de petróleo na pandemia e a dificuldade de recuperação econômica nos cenários pós-quarentenas.

Importante frisar que o provável resultado negativo só não deverá ser mais grave em virtude do bom desempenho de vendas de derivados no mercado externo, que apesar de ter sofrido redução de preço no 2T/20, ainda permanece em patamar elevado (cerca de US$ 54,8 por barril no trimestre) se comparado com o preço de petróleo (valor médio de U$ 29,1 por barril no trimestre).

O bom resultado na receita das exportações de derivados se deve ao aumento da participação do óleo combustível (hoje cerca de 67% no trimestre), de baixo teor de enxofre, nas exportação da Petrobras. Vale lembrar que a produção de óleo combustível da Petrobras está diretamente relacionada com a produção das refinarias do Nordeste que estão no plano de privatização da Petrobras, como a RLAM e a RNEST.

Em relação a pandemia, embora a empresa tenha anunciado um pacote de medidas de resiliência, a Petrobras conseguiu aumentar a sua produção e “segurar” a reduçãodo fator de utilização das refinarias. Essas mudanças foram possíveis por conta de dois aspectos.

Em primeiro lugar, pela recuperação da demanda de diesel e gasolina no mercado interno entre maio e junho com relação aos dois meses anteriores, o que fez com que a Petrobras aumentasse tanto as vendas bem como o market share nesses produtos no mercado brasileiro (saltou de 84% para 88% entre o 1T/20 e o 2T/20). Em segundo lugar, pelo aumento da demanda externa por alguns derivados (óleo combustível, sobretudo), o que pode ter indicado uma oportunidade para a Petrobras expandir no mercado externo e mitigar os eventuais prejuízos que a empresa enfrenta nos últimos meses com o mercado interno.