Mais de mil petroleiros e petroleiras rejeitam contraproposta de ACT e aprovam greve contra privatização no NF

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Encerradas nesta quinta, 7, com prazo final para envio de atas das plataformas até às 12h desta sexta, 8, as assembleias no Norte Fluminense somaram 1025 votos favoráveis ao indicativo da FUP e Sindipetro-NF de rejeição da contraproposta de Acordo Coletivo feita pela Petrobrás (com apenas 4 contrários e 1 abstenção).

Para o segundo indicativo, de aprovação de greve a ser marcada pela FUP em caso de envio, ao Congresso Nacional, de proposta de privatização da Petrobrás, os votos favoráveis foram de 1004 participantes das assembleias (com 14 contrários e 12 abstenções).

A manutenção de estado de Assembleia Permanente foi aprovada por 1021 votos (com 4 contrários e 5 abstenções), enquanto a contribuição assistencial foi aprovada por 921 votos (com 72 contrários e 37 abstenções).

Para o coordenador geral do Sindipetro-NF, Tezeu Bezerra, o resultado expressa a grande insatisfação dos trabalhadores e trabalhadoras com a gestão bolsonarista da companhia.

“A categoria deu um não do tamanho que a gestão da Petrobrás precisava ouvir. Ativos e aposentados viram a quantidade enorme de ataques aos seus direitos e foram à luta, com grande participação”, afirma o sindicalista.

Novidades

As assembleias no Norte Fluminense começaram na última terça, 5, e experimentaram um modelo diferente. Além das assembleias nos aeroportos, que acabaram contemplando mais grupos das plataformas, também foram realizadas assembleias por mais dias nas bases de terra, para contemplar petroleiros que têm alternado suas presenças na empresa em modelos híbridos de trabalho.

Também houve novidade com a adoção de assembleias para as SCR (Salas de Controle Remoto) e para os trabalhadores do Porto do Açu. O sindicato registrou ainda uma boa participação, na assembleia de Imbetiba, dos petroleiros da área submarina (SUB).

Próximos passos

O resultado nacional das assembleias será enviado hoje pela FUP à gestão da Petrobrás. A aprovação de greve da categoria em caso de tentativa de privatização da Petrobrás também será comunicada formalmente pela Federação ao presidente do Congresso Nacional, Arthur Lira (PP), e ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD).

Na próxima semana, a FUP realiza seu Seminário de Planejamento, em Brasília. No dia 12, as lideranças petroleiras também participam, na capital federal, de ato público no auditório Nereu Ramos, na Câmara Federal, em defesa do pré-sal e da destinação das riquezas do petróleo para o povo brasileiro.