Nascente 1220

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

[VERSÃO COMPLETA EM PDF DISPONÍVEL NO FINAL DA PÁGINA]

 

A SEMANA

Editorial

Alerta máximo ligado mesmo no fim do ano

Faz tempo que, para a categoria petroleira, o período de festas do fim de ano deixou de ser momento apenas de confraternização e descompressão. O alerta precisa estar sempre ligado. Sobretudo sob um governo que consegue bater todos os recordes de destruição de tudo o que é público. Por isso, petroleiras e petroleiros estão terminando 2021 aprovando Estado de Greve e Estado de Assembleia Permanente, sinalizando que 2022 será de muita luta.

Portando, junto ao desejo de um final de ano de paz e de solidariedade, o Sindipetro-NF manifesta os votos de que estes dias sejam devotados a um recarregar de energias e de esperanças para que 2022 seja de transformações. Sabemos que podemos fazer do Brasil um país sem miséria, sem fome, onde riquezas como a do petróleo sejam usadas para promover o acesso à saúde, à educação e a um futuro melhor para todas as famílias.

Sabemos da Petrobrás e do setor petróleo que construímos e mantemos com o nosso suor, com a força do nosso trabalho, e do quanto esse grande empreendimento humano é necessário para o Brasil. Entendemos o papel que temos e dele não abrimos mão como atores relevantes na sociedade brasileira.

Quando as famílias se reúnem em suas casas, muitos de nós estamos em alto mar, mantendo a tarefa essencial de gerar energia, uma riqueza estratégica para qualquer país. A guerreira categoria petroleira não abandonará o povo diante das ameaças em curso, não faltará com a sua responsabilidade histórica.

Assim como fizeram em 1995 e em tantos outros momentos, as petroleiras e os petroleiros não permitirão a entrega da Petrobrás.
Boas festas e feliz ano novo.

Espaço Aberto

2022 será um ano decisivo*

Sandro Alex de Oliveira Cezar**

2021 não foi um ano fácil. Nas ruas e nas redes, tivemos o enfrentamento do governo Bolsonaro pelos movimentos sociais, com intensa mobilização. A Central Única dos Trabalhadores teve um papel marcante no combate às ideias bolsonaristas. Foi o começo: em 2022 intensificaremos ainda mais essa luta.

É preciso dar continuidade, com muita força e muita energia, às mobilizações contra os retrocessos. As próximas eleições serão uma oportunidade valiosa para que o povo brasileiro decida o tipo de país que quer nos próximos quatro anos. O Brasil que sonhamos é um país forte, soberano, com distribuição de renda e de riqueza. Para isso, é necessário que a classe trabalhadora busque as suas representações no executivo e no legislativo, que ocupe os espaços de poder para reconstituir os direitos destruídos no governo Bolsonaro.

Por fim, considero que nada constrói mais do que o amor que o nosso povo demonstrou nesse momento de dor que atravessamos. Acreditamos que é possível devolver nosso estado para o lugar de onde ele nunca deveria ter saído. O Rio representa a síntese do povo brasileiro: bom, trabalhador e detentor de muita esperança.

É preciso ainda lembrar: o Brasil precisa de governantes que representem o povo brasileiro, seus sonhos, suas esperanças, suas dores, suas necessidades, enquanto classe trabalhadora. Estamos ávidos por um representante que sonhe com um Brasil diferente do atual, onde possamos criar nossos filhos e voltar a acreditar em um projeto de nação.

*Trecho de artigo publicado no Portal da CUT, disponível em is.gd/eanascente1220 sob o título “2022: um ano decisivo”. **Presidente da CUT-Rio.

Halliburton

Petroleiras e petroleiros da Halliburton realizaram assembleia geral nacional na noite da terça, 21, para “apreciação e votação da proposta feita pela empresa no dia 16 de dezembro de 2021 para o Acordo Coletivo de Trabalho 2020/2022”. Na tarde de ontem, horário de fechamento desta edição do Nascente, os resultados ainda estavam sendo computados e a divulgação estava prevista para 21h. A categoria petroleira da Halliburton está em Estado de Assembleia Permanente.

Pausa no Nascente

Como acontece todos os anos, o Nascente dá uma parada na semana entre Natal e Ano Novo. O boletim volta a circular em janeiro. A Imprensa do NF continua a atuar por meio de todas as demais mídias do sindicato neste período. A expectativa é a de que 2022 seja um ano de intensas batalhas e a comunicação sindical precisará estar, mais do que nunca, afiada para os enfrentamentos que virão. Boas festas.

CA da Petrobrás

Aberto no último dia 20 o período de inscrições de candidaturas a uma vaga no Conselho Administrativo da Petrobrás. Os interessados terão até o dia 09 de janeiro para se candidatarem. A votação acontece entre os dias 22 e 30 de janeiro. Como todos os anos, a FUP e o NF apoiarão uma chapa ao CA da Petrobrás. A representação dos trabalhadores no Conselho é uma conquista da categoria petroleira.

Ângelo, presente!

A categoria petroleira na região perdeu nesta semana o companheiro Ângelo Fonseca de Oliveira, que morreu na madrugada da segunda, 20, aos 52 anos, vítima de um câncer no cérebro que havia sido diagnosticado em abril deste ano. Ângelo atuava como técnico de segurança na P-32. O sindicato manifestou em suas mídias as suas condolências aos amigos, colegas de trabalho e familiares do companheiro, que deixa uma bela trajetória de trabalho e de parceria junto ao NF.

VOCÊ TEM QUE SABER

Ano Novo vai chegar com Estado de Greve

Realizada no último final de semana, a assembleia dos petroleiros e petroleiras do Norte Fluminense aprovou de modo massivo os dois indicativos de alerta na luta contra a privatização da Petrobrás. O indicativo 01, de mobilização e aprovação de Estado de Greve, foi aprovado por 97,1% dos votos (com 2,3% contrários e 0,6% abstenções). O indicativo 02, de aprovação de Estado de Assembleia Permanente, foi aprovado por 96,1% dos votos (com 2,9% contrários e 1,0% abstenções).

Ontem, a FUP voltou reunir a sua diretoria para deliberar sobre os próximos passos da mobilização, com avaliação do quadro nacional das assembleias — os desdobramentos da reunião não haviam sido divulgados pela FUP até o fechamento desta edição do Nascente. A categoria petroleira se prepara para reagir, com greve, a um possível envio ao Congresso Nacional de proposta de privatização da Petrobrás, pelo governo Bolsonaro.

A Federação e os sindicatos têm alertado, a partir de falas recentes do próprio presidente Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes, que o governo sinaliza que pretende aproveitar 2022 para tentar vender o que restou da companhia — uma vez que as pesquisas indicam que uma reeleição do grupo bolsonarista está cada vez mais improvável.

Mesmo antes da reunião de ontem, a FUP deixava clara a disposição para a luta: “Vai ter greve. E das grandes. Este é o recado das assembleias para o governo Bolsonaro, caso insista em enviar ao Congresso Nacional um projeto de lei para privatização da Petrobras”.

 

Gerência transforma PNA-1 em verdadeiro covidário

O Sindipetro-NF denunciou nesta semana o modo temerário como a gerência da plataforma PNA-1, na Bacia de Campos, atuou em relação à Covid-19. Os prepostos da empresa colocaram toda a força de trabalho da unidade sob risco de contágio. Com pelo menos 28 casos suspeitos entre petroleiros da unidade, apenas a metade havia sido desembarcada até a terça, 21. A entidade recebeu relato de que até mesmo um absurdo “procedimento de almoço” foi adotado: primeiro os petroleiros “sem suspeita” utilizam-se o refeitório , depois os petroleiros com suspeita de Covid-19.

Somente ontem, após denúncia do sindicato no site da entidade e nas redes sociais, e do agravamento dos sintomas de vários petroleiros a bordo, a empresa começou a desembarcar mais trabalhadores.

O sindicato denunciou o caso ao Ministério Público do Trabalho, pedindo intervenção imediata. O NF também disponibilizou a testagem de Covid-19 para os petroleiros que desembarcassem da unidade sem a realização do teste.

O NF solicita à categoria que mantenha o envio de relatos sobre a situação a bordo para o e-mail [email protected] A identidade é mantida em sigilo.

 

Petrobrás faz mesquinharia com heróis

Nos momentos mais difíceis, são eles que evitam que acidentes se transformem em grandes catástrofes. Quando precisam do mínimo de reconhecimento, no entanto, a gestão da Petrobrás vira as costas. São os brigadistas, que têm relatado ao Sindipetro-NF a dificuldade ao acesso a um dos poucos direitos reconhecidos por padrão da própria companhia: um dia de folga a cada ano.

O sindicato vai enviar ofício à gestão da empresa para cobrar o atendimento correto a este direito. A categoria defende que, ao menos, quando o dia de folga não for gozado pelo trabalhador, que o crédito seja computado — cada gerência de unidade têm utilizado uma política própria, com o reconhecimento do crédito sendo por umas e por outras não.

Para o coordenador geral do Sindipetro-NF, Tezeu Bezerra, os brigadistas são heróis que precisam ser valorizados e respeitados. “São voluntários que são os primeiros a atuar nos acidentes. Tivemos o caso trágico da P-36, onde os companheiros que morreram foram justamente os da brigada, e tantos outros casos em que tragédias foram evitadas pela ação destes trabalhadores”, protesta.

 

Graças a acordo, categoria volta a ter pagamento de PLR

A direção da Federação Única dos Petroleiros participou, na manhã desta segunda-feira (20), da reunião com a gestão de Relações Sindicais da Petrobrás, para tratar do pagamento da PLR 2021 aos seus empregados.

Após dois anos sem PLR, petroleiros e petroleiras voltam a receber a participação nos lucros da empresa. O acordo de PLR anterior, que vigorou de 2013 a 2018, possibilitou um regramento mais igualitário entre os trabalhadores (principalmente os menores salários), com um montante de 6,25% do lucro líquido em 2013 e 2018. Também garantiu o pagamento da PLR em 2014 e 2017, mesmo sem a empresa apresentar lucro líquido, entre outras cláusulas.

De acordo com a gestão, até o momento os trabalhadores cumpriram 100% das metas estipuladas para os indicadores e receberão adiantamento do valor em 14 de janeiro de 2021. A FUP cobrou da empresa uma melhor comunicação, pois desrespeitaram o acordo ao alterar as metas de indicadores sem reunião com os sindicatos. O pagamento em janeiro acontecerá da seguinte maneira: a) para trabalhadores com até R$5 mil de remuneração (RMNR + ATS), adiantamento de 1/3 de 2 remunerações; b) para trabalhadores de R$5 mil a R$10 mil de remuneração, adiantamento de 1/3 de R$10 mil; c) remunerações acima de R$10 mil, adiantamento de 1/3 de remuneração.

Como sempre, o pagamento final aos trabalhadores acontecerá um mês após a Assembleia Geral dos Acionistas (AGO), geralmente realizada em abril. Sendo assim, a quitação do pagamento da PLR 2021 está prevista para maio de 2022. Neste mês também é paga a PLR dos trabalhadores que receberão proporcional, ou seja, aqueles que se desligaram em algum mês antes do fechamento de 2021. As subsidiárias irão encaminhar, via ofício, para a FUP ainda este mês, como será realizado o pagamento da PLR.

 

SAIDEIRA

MTA de PGP-1 recebe verão com ar condicionado quebrado

Em plena semana de véspera de Natal, os trabalhadores da PGP-1 foram presenteados com mais um descaso da Petrobrás com a categoria. O Sindipetro-NF recebeu denúncias de que os trabalhadores, instalados no módulo temporário de acomodação (MTA), estão sem ar condicionado e sem previsão para resolução do problema.

Com o calor intenso, os trabalhadores estão passando mal e não estão conseguindo ter o descanso adequado, o que aumenta o risco de acidentes de trabalho.

O Sindipetro-NF entrou em contato com os órgãos responsáveis para que providências sejam tomadas. A orientação correta seria o desembarque destes trabalhadores até que a situação seja normalizada.

Além disso, o sindicato reforça, mais uma vez, que o módulo de acomodação temporária não poderia ser utilizando, tendo em vista que não houve uma negociação tripartite, o que é um descumprimento do regulado pela NR37.

“A Petrobrás parece que tem feito de tudo para ir contra o trabalhador. São denúncias de condições inadequadas nas plataformas, quarentena a bordo, entre outros problemas, que colocam em risco a vida do trabalhador. O Sindicato segue cobrando providências dos órgãos competentes”, frisou o diretor Alexandre Vieira.

FOTOS-LEGENDA

APOIO DO NF – O clima natalino contagiou a Feira do Visconde, em Macaé, na noite da terça, 21. Uma ação solidaria de Natal foi realizada no local com distribuição de brinquedos para as crianças, chegada do Papai Noel, bingo, dentre outras atividades. Diante de um ano tão difícil, onde além da pandemia, os brasileiros tiveram que sobreviver aos ataques do governo, é um honra para o Sindipetro-NF apoiar um evento como este, que traz um pouco de esperança. Os diretores Marcelo Nunes, Eider Cotrim e José Maria Rangel e as diretoras Bárbara e Jancileide Morgado participaram da atividade. Rangel falou sobre a importância deste momento: “Estamos vivendo tempos difíceis no nosso país, com o aumento da miséria, o desemprego, e por isso, digo que é reenergizante participar de um evento como este. Pudemos ver no olhar de cada criança a esperança e a alegria de receber o presente das mãos do Papai Noel. Exatamente, essa esperança que nos gera forças para continuar lutando para que essas crianças tenham um mundo melhor, um mundo mais justo.”

SOLIDARIEDADE O ANO TODO – Um ano marcado por grandes ações de solidariedade da categoria petroleira, como as de venda de gás e gasolina a preço justo e as de entrega de cestas básicas de alimentos, não poderia caminhar para o fim de modo diferente. Na terça, 21, as petroleiras e petroleiros foram representados em ação da Campanha Petroleiro Solidário, na Comunidade da Carobinha, no Rio. Os diretores do Sindipetro-NF Alessandro Trindade e José Maria Rangel (foto) participaram da atividade. Cerca de 230 crianças receberam presentes do Papai Noel. De acordo com levantamento ainda parcial da FUP, passa de 10 mil o número de botijões de gás destinados a ações solidárias da categoria petroleira em todo o país. Somente no estado do Rio, foram cerca de 5 mil. A pandemia da Covid-19 acentuou o traço solidário da atuação das bases petroleiras, contribuindo para enfrentar um cenário de extrema miséria e fome. Para as entidades, as ações emergenciais não eliminam a luta por políticas públicas, por geração de emprego e de renda, até que um dia nenhuma doação seja necessária. O quadro atual, no entanto, torna a solidariedade um imperativo ético. Como nos ensinou Betinho, quem tem fome, tem pressa.

NORMANDO

Solstício de Verão Meridional

Normando Rodrigues*

Nada a ver com obscurantismo astrológico. É o dia em que a maltratada Terra exibe para o Sol sua metade sul e inclina faceira sua metade norte para o outro lado.

É também um dia importante para a história de todas as culturas que já dependeram da agricultura, e que viviam em plena consciência dessa dependência. Consciência hoje escassa.

Assim como o solstício de fim de ano foi apropriado pela religião dominante no capitalismo central, a consciência de que somos parte de um todo foi subjugada pela ideologia dominante.

Para a ideologia, importam o consumo e o individualismo, em meio à deturpada celebração do nascimento de um antigo mestre comunista, cujo comunismo renegam.

Mas consumo e individualismo são apenas meios. A única coisa verdadeiramente sagrada, nessa incontida orgia mercadológica, é o lucro. Lucro cuja liturgia destrói fauna, flora, água, ar, clima, e seres humanos.

Você pode mudar isso. Basta lembrar mais da igualdade pregada pelo aniversariante, do que da opulência sem sentido de mesas e palácios que o celebram.

Pense no quanto você, e cada um de nós, depende da humanidade e da natureza.

E aja de acordo.

São nossos votos para 2022.

Normando Rodrigues Advogados

* Assessor jurídico do Sindipetro-NF e da FUP. [email protected]

 

1220merge