Nascente 1256

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

[VERSÃO EM PDF NA ÍNTEGRA DISPONÍVEL NO FINAL DA PÁGINA]

 

A SEMANA

Editorial

Onda laranja resiste e faz a mudança

A categoria petroleira caminha para o encerramento da sua última Campanha Reivindicatória sob este governo. Diz-se assim, deste modo assertivo, tendo como referência as pesquisas eleitorais, o trabalho diário de cada um e cada uma pela mudança e a convicção de que a maioria dos trabalhadores e trabalhadoras não haverão de cavar ainda mais o fundo do poço em que nos metemos.

O cenário, em 2019, ano de posse desse infortúnio, era de ataque violento aos sindicatos e movimentos sociais. Mudanças nos repasses dos recursos sindicais, narrativas criminalizadoras dos movimentos sociais, desmonte dos órgãos de fiscalização, aprofundamento das desregulamentações e, no caso mais específico dos petroleiros, orientação de jogo duríssimo da gestão da empresa na “relação” com as entidades da categoria.

A intimidação era acintosa e os gestores da empresa se comportavam como se nunca mais fossem deixar o poder. A categoria petroleira não abaixou a cabeça e, ano após ano, manteve firmes as suas entidades, a sua organização, a sua unidade, e enfrentou este momento em que existir tornou-se um ato de rebeldia.

A categoria pode se orgulhar de ter se mantido íntegra, ter preservado seu acordo coletivo e de ter contribuído, e muito, para o somatório de forças que promove uma virada política que nem um roteirista de Hollywood poderia imaginar. No futuro, quando forem olhar a fotografia deste momento, lá estará uma onda laranja em meio à multidão.

Setor Privado

O Departamento do Setor Privado mantém agenda intensa de negociações com as empresas, setoriais e assembleias com os trabalhadores e reuniões de diretoria. Somente para esta semana, estão marcadas reuniões com a Cetco (13/09), com a Franks (13/09), entre a FUP e o NF (13/09), Oiltanking (14/09) e Wellbore (15/09). Também estão em negociação os acordos da Baker e da Schlumberger. Mantenha-se ligado nas mídias do sindicato para acompanhar as convocações de assembleias e demais informes. Mais informações também pelo e-mail do departamento: [email protected]

NF ao vivo

“Saúde mental no trabalho e prevenção ao suicídio” é o tema do NF ao vivo desta semana, na quarta, 14, às 19h30, com Luciana Gomes (Psicóloga da Fiocruz), Raimundo Teles (Saúde da FUP) e Antônio Carlos Pereira (CNQ), no Face e no Youtube. O tema integra as ações do NF pela passagem do Setembro Amarelo.

Pacheco

Dirigentes da FUP e da CUT se reuniram, no último dia 6, com o presidente do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco (PSD/MG) para cobrar atuação dos parlamentares contra a privatização da Petrobrás. Pacheco afirmou que não é o momento de se discutir qualquer iniciativa de privatização da companhia.

Influencers no NF

O Departamento de Formação do Sindipetro-NF começa a realizar, a partir do próximo dia 22, uma série de encontros com influencers para debater os principais temas do país. Os “Diálogos de conjuntura com influencers” vão começar pelos Galãs Feios Helder Maldonado e Marco Bezzi, na quinta, 22, às 19h, em formato híbrido (no Teatro do NF e nas redes sociais dos debatedores e do sindicato).

Chega de farra 1

O Deputado Federal Bohn Gass (PT-RS) protocolou, no último dia 5, requerimento de informações solicitando ao ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, esclarecimentos acerca da política de distribuições de dividendos por parte da Petróleo Brasileiro S.A. No mesmo dia, a Frente Parlamentar em Defesa da Petrobrás e a Anapetro entraram com uma ação na Justiça.

Chega de farra 2

A pressão parlamentar e das entidades é contra a distribuição abusiva de dividendos da Petrobrás. O objetivo é anular a distribuição de dividendos antecipados e restringir o montante a 25% do lucro líquido reportado pela estatal. Os dividendos de R$ 87,8 bilhões anunciados pela Petrobras no 2º trimestre superam o resultado líquido no período em R$ 33,5 bilhões.

Luto

A diretoria do Sindipetro-NF lamentou a morte, no último dia 7, do petroleiro aposentado Adalberto Cláudio Mourão Júnior, 59 anos. O companheiro foi vítima de um câncer no estômago. Adalberto trabalhou na área de Poços (Parque de Tubos) e estava aposentado desde 2021. Era filiado ao Sindipetro-NF, desde 2012. Natural de Belém do Pará, mudou para Macaé, cidade que adotou como sua.

VOCÊ TEM QUE SABER

ACT e ARs: Unidade na aprovação de Norte a Sul do país

Mais uma vez a categoria petroleira dá demonstração de força com participação massiva nas assembleias. A categoria, na região, tem calendário fixado até esta quinta, 15 (com retorno das atas até às 12h da sexta, 16, para plataformas e Porto do Açu), para deliberar sobre os indicativos do Acordo Coletivo de Trabalho.

A FUP e o NF indicam “Aprovação da 4ª Contraproposta apresentada pela Petrobrás e subsidiárias”; “Aprovação da manutenção do estado de mobilização contra o desmonte da Petrobrás enquanto continuar as ameaças do governo Bolsonaro e em defesa da democracia”; e, somente para plataformas, “Aprovação da renovação do Acordo Coletivo Regional que trata sobre: o Auxílio Deslocamento, Dia do Desembarque e Turno de Manutenção”.

Todos os indicativos estão sendo aprovados por percentuais que se aproximam da unanimidade nas assembleias realizadas até a manhã desta terça, 13, durante o fechamento desta edição do Nascente. No quadro nacional não é diferente: de acordo com a FUP, as aprovações estão entre 90% e 100% nas assembleias em todo o país.

Aprovação média superior a 90%

O quadro nacional mostra as bases com as seguintes situações: Amazonas (assembleias terminam na quarta, 14, com resultado parcial de 100% de aprovação), Ceará (até terça, 13, com resultado parcial de 83,3% de aprovação), Rio Grande do Norte (até terça, 13, e quarta, 14), Pernambuco e Paraíba (até quarta, 14, com resultado parcial de 92% de aprovação), Bahia (assembleia única no sábado, 10, aprovou por 92,6%), Espírito Santo (até quarta, 14, com resultado parcial de 98% de aprovação), Norte Fluminense (até quinta, 15, com resultado parcial de 96% de aprovação), Duque de Caxias (assembleias até quarta, 14, com resultado parcial de aprovação por ampla maioria), Minas Gerais (até sexta, 16, com resultado parcial de 89% de aprovação), Unificado de São Paulo (até sexta, 16, com resultado parcial de aprovação por ampla maioria), Paraná e Santa Catarina (até quarta, 14, com resultado parcial de 94% de aprovação) e Rio Grande do Sul (até quinta, 15, com resultado parcial de 94% de aprovação).

Vídeos do Jurídico tiram dúvidas sobre cláusulas

Neste período de assembleias, além dos contatos dos diretores e diretoras sindicais nas bases, uma ferramenta importante de elucidação das dúvidas em relação à contraproposta da Petrobrás, que tem indicativo de aceitação da FUP e do Sindipetro-NF, tem sido a utilização de vídeos de assessores jurídicos. Combatendo boatos, os profissionais têm contribuído para explicar o que foi mantido e como foi mantido no acordo coletivo.

Em vídeo da FUP (is.gd/juridicoact01), a advogada Jessica Caliman e Normando Rodrigues, explicaram a importância do Acordo Coletivo preservar a margem consignável em 13% para os aposentados e pensionistas e demais cláusulas da AMS, mostrando como a quarta contraproposta garante segurança jurídica contra os descontos abusivos praticados pela Petrobrás.

Em outro vídeo (is.gd/juridicoact02), com sua participação no programa NF ao vivo, o advogado Normando Rodrigues tratou, além da AMS, de temas como os turnos em bases de terra e nas plataformas, horas extras, banco de horas e garantia de emprego. Um a um, o assessor explica como ficaram estes direitos, na maioria dos casos mantidos exatamente como no acordo atual.

 

NF agora também no Workplace do teletrabalho

Em decisão liminar o SindipetroNF obteve o reconhecimento do direito de acessar o Facebook Workplace utilizado para o teletrabalho dos empregados da Petrobrás.
Assim, o sindicato poderá esclarecer possíveis descumprimentos do ACT e de normas trabalhistas, sanar dúvidas dos trabalhadores e informar de forma correta e transparente tudo a respeito das campanhas reivindicatórias, como por exemplo a quarta contraproposta da Petrobrás, agora submetida às assembleias.

Foi garantido ao sindicato postagem de um vídeo semanal de até dois minutos, a publicação de um texto semanal de até 3 mil caracteres, manter as postagens acessíveis pelos trabalhadores a qualquer momento, por uma semana, com links em título de até 60 caracteres com espaços, um espaço digital para reunião virtual quinzenal (com duração de 15min, às 17h45 de quartas feiras alternadas), o livre acesso das contas corporativas dos trabalhadores às páginas do sindicato na Internet e o livre acesso dos dirigentes sindicais aos mesmos chats e grupos não técnicos a que tenham acesso os empregados da Petrobrás.

 

SAIDEIRA

NF apoia torneio em Macaé que integra comunidade paraense

O mercado petróleo na Bacia de Campos sempre atraiu trabalhadores do Brasil e do mundo todo. Muitos acabaram fixando residência em Macaé, como um grupo de paraenses que residem no bairro do Aeroporto. Essa comunidade costuma realizar eventos de integração e tem como principal ponte o futebol e a culinária.

No último domingo, realizaram um torneio na Praça de Viracopos, localizada no bairro, que contou com o apoio do Sindipetro-NF, através da doação de uniformes, troféus e as bolas.

Os times masculinos que participaram foram o Bola murcha FC, Resenha futebol chopp, Tisforça FC, São Caetano FC, Família Lagomar FC, Remo e Paysandu. E os femininos foram Remo e Paysandu.

Identidade

A diretora Bárbara Bezerra, que acompanhou o evento, comentou que “o futebol é uma ferramenta de relacionamento muito importante. Macaé é uma cidade composta de muitos migrantes por conta da indústria de óleo e gás. Essas pessoas gostam de manter sua cultura pulsante e o futebol e a culinária são ferramentas utilizadas por muitos grupos. Temos que lembrar que os trabalhadores também têm direito ao lazer, a arte e a cultura.”

 

NORMANDO

Cloaca Máxima

Normando Rodrigues*

A escolha de outubro não é “mais uma” eleição, assim como o fascismo não é “mais uma” ideologia e o lobisomem Bolsonaro não é “mais um” candidato. Esse último é na verdade um monstro de enorme boca, cloaca máxima vomitadora de desumanidades.

No grandiloquente 7 de setembro tivemos mais um de uma série de assassinatos de petistas por bolsonaristas. Aqui sim é preciso enfatizar que a morte de um eleitor assumido de Lula em Confresa (MT), infelizmente foi apenas “mais uma”.

Benedito, a vítima, levou 15 facadas do bolsonarista Rafael, uma delas em um olho. E o bolsonarista, ao perceber o esfaqueado teimosamente vivo, o liquidou com um golpe de machado no pescoço, na intenção de o decapitar. Orgulhoso do feito, o bolsonarista filmou o cadáver mutilado.

Também se pavoneou da própria vilania no 7 de setembro o bolsonarista Cássio Cenali, que se divertiu em humilhar uma mulher carente em Itapeva (SP), à qual entregou uma caixa com supostos alimentos e declarou ser aquela a “marmita” final, porque a necessitada afirmou que votaria em Lula. Detalhe significativo, as falas do bolsonarista eram entremeadas de risinhos sádicos e de alguns “vá pedir ao Lula”.

Diferentemente do bolsonarista assassino Rafael, o bolsonarista humilhador Cássio Cenali tentou simular “arrependimento” 4 dias após, temeroso da repercussão de sua baixeza. Sincero ao extremo, penitenciou-se por gravar o vídeo, não pelo ato cruel de condicionar o direito de se alimentar à opção eleitoral.

Com a mesma lógica um grupo de bolsonaristas em Copacabana, ainda no 7 de setembro, respondeu ao pedido de ajuda de um menino de 11 anos em andrajosa camiseta vermelha, com um desalmado “se ele é Lula, se ele está de vermelho, então merece passar fome”, numa quase reprodução de um famoso slogan da Alemanha de Hitler, “melhor morto do que vermelho”. Em outro caso, no Acre mas sempre no 7 de setembro, um bolsonarista atropelou a bicicleta de uma criança culpada de usar o uniforme rubro com estrela branca do Rio Branco F. C.

E por lembrar de Hitler, o que fez o Lobisomem ao saber de mais um homicídio de petista nas mãos de um bolsonarista? Incentivou a prática de mais crimes em discursos de “extermínio” de adversários políticos.

Há um grande fio condutor entre Mussolini, Hitler, Bolsonaro, o assassino Rafael, o empresário Cenali e os humilhadores de pobres do 7 de setembro. Todos tinham antecedentes criminais em homicídios ou tentativas, sonegação de impostos, fraudes, agressões a mulheres, estupros, pedofilia, etc.

No Brasil, formam uma longa fila de pervertidos, nutridos e expelidos pela cloaca máxima da sociedade, a boca de Bolsonaro.

* Assessor jurídico do Sindipetro-NF e da FUP. [email protected]

 

1256merge