NF questiona dados sobre Covid da Petrobrás em boletim do Ministério de Minas e Energia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

O Boletim de Monitoramento Covid-19, publicado semanalmente pelo Ministério de Minas e Energia (MME), informou em sua edição 47, de 8 de março deste ano, que a Petrobrás teve nove óbitos de trabalhadores em sistema remoto, dois de presencial e dois de pessoas em férias. Já no Boletim 48 do dia 15 de março, o MME atualizou a informação para 12 óbitos no total, quatro de presencial e um óbito de pessoa em férias.

Também no Boletim 48,  o MME informou que do total de 46.416 empregados, a Petrobrás tinha tinha 258 casos confirmados de Covid-19 e em quarentena, 17 pessoas hospitalizadas, 5203 recuperados.

Causou estranheza ao Departamento de Saúde do Sindipetro-NF, o dado de que no dia 8 haviam dois mortos durante o período de férias e na semana seguinte o número caiu para uma pessoa de férias.

“Esse dado só nos leva a pensar que ou a empresa se equivocou ao contabilizar os dois óbitos nas férias ou não há veracidade nas informações prestadas sobre a Covid pela Petrobras” – comenta o coordenador de Segurança, Meio Ambiente e Saúde (SMS) do Sindipetro-NF, , Alexandre Vieira.

O NF acredita ser mais aceitável acreditar que não há realidade nos fatos divulgados pela empresa, visto que a esconde as informações das CIPAs e dos sindicatos, além de há tempos apresentar um fator de recuperação de trabalhadores da Covid 19 menor do que uma semana.

Analisando também a diferença entre os casos totais dos dois boletins e número de recuperados mais número de confirmados, encontramos um número menor do que os casos confirmados daquela semana. O que indica outro dado irreal, que é a recuperação de casos da Covid 19 com menos de uma semana de isolamento. Contrariando a recomendação para o território nacional que é de no mínimo 14 dias para recuperação.

O Departamento de Segurança, Meio Ambiente e Saúde (SMS) do Sindipetro-NF continuará acompanhando a divulgação e cobrará sempre a transparência nos dados e agilidade no cuidado com a saúde da categoria petroleira.