No segundo dia de votação em Caxias, NF destaca necessidade de continuidade da luta e da resistência

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Diretores do Sindipetro-NF continuam presentes, nesta manhã, na entrada da Reduc (Refinaria de Duque de Caxias), na conscientização da categoria petroleira da unidade sobre a importância de votar na Chapa 1 – Luta e Resistência, para a direção do sindicato local. Hoje é o segundo dia de votação, que segue até o próximo dia 20.

Para o diretor José Maria Rangel, os petroleiros e petroleiras da base precisam dar continuidade a um trabalho sério de enfrentamento ao cenário dramático do país, de desmonte da Petrobrás e das políticas públicas.

Ele lembrou que o atual presidente, Luciano dos Santos, “vem conduzindo o Sindipetro-Caxias no rumo da resistência, do enfrentamento, e que vai ter a tarefa de reconstrução da Petrobrás, de reconstrução do Brasil. Esse país que está aí não pode continuar. A empresa que está aí também não. Ela está se apequenando”.

Santos, candidato à reeleição, também chamou a categoria petroleira à participação nas eleições. O pleito vai escolher a diretoria para o triênio 2023-2025, que poderá atuar em um cenário pós-eleitoral de grandes mudanças para o país, dependendo do resultado das eleições brasileiras do segundo semestre.

Atividade de hoje lembra P-36 também em Caxias

As falas das lideranças sindicais, em Caxias, também lembram a passagem, hoje, dos 21 anos da tragédia da P-36. O diretor da FUP, Raimundo Teles, da área de saúde e segurança da Federação, destacou que o acidente foi provocado por um processo que “desde a origem, por si só, estava equivocado”, referindo-se ao ambiente privatizante do então governo Fernando Henrique Cardoso.

Confira fotos desta manhã em Caxias

 

[Videos e fotos: Luciana Fonseca]