Nota do Jurídico: FUP aciona criminalmente “desmascarados”

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Por meio do escritório Normando Rodrigues, a Federação Única dos Petroleiros representou ao ministério público (MPE) os gestores da Petrobrás que protagonizaram o lamentável episódio de Itaboraí.

No afã de agradar ao negacionismo fascista de Bolsonaro, então em visita a instalações da Petrobrás, os colarinhos-brancos se fantasiaram de petroleiros e dispensaram máscaras de proteção, assim violando as normas da própria empresa e expondo os presentes a risco de contágio.

Foram representados o diretor-executivo de relacionamento institucional e sustentabilidade, Rafael Chaves Santos; João Henrique Rittershaussen, diretor executivo de desenvolvimento da produção; Eduardo Bacellar Leal Ferreira, presidente do conselho de administração da Petrobrás; Cláudio Rogério Linassi Mastella, diretor executivo de comercialização e logística; e Juliano de Carvalho Dantas, diretor executivo de transformação digital e inovação.

Outras denúncias foram encaminhadas ao ministério público federal.

Além da questão sanitária, o gesto negacionista violou o Código de Ética da Petrobrás e é questionável perante o Conselho de Ética do governo federal.

Sabe-se, no entanto, que o ideário social hierarquizado do fascismo pressupõe que as normas só sirvam para punir “os de baixo”.