Números confirmam retomada do crescimento

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

 

Números confirmam retomada do crescimento
Do informativo Em Questão
 

Depois da conquista da estabilidade econômica, a economia brasileira já exibe índices que configuram uma retomada do crescimento. O terceiro trimestre apresentou um aumento do Produto Interno Bruto (PIB) de 0.4%. O índice é discreto, mas quando especificado (aberto) por setores traz informações relevantes.

Os números mostram que a indústria cresceu 2.7% no último trimestre, puxada principalmente pelo crescimento excepcional registrado em setembro (4.3%). O mês de outubro deve apresentar uma expansão mais modesta, mas que, de qualquer forma, confirma um firme crescimento do setor industrial, que sempre tendeu a liderar o ciclo das atividades econômicas. O crescimento foi liderado pelo segmento da indústria de transformação, seguido dos serviços industriais de utilidade pública.

O PIB agropecuário, se comparado ao segundo trimestre do ano, sofreu retração de 6.7%. No entanto, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), este é um resultado pontual, que reflete o final da safra da soja, que está em notável expansão, e o início da do café, cuja participação retrocedeu 20% no corrente ano. Ou seja, o dado para agropecuária não representa o ano ou a tendência em curso.

Outro dado relevante para a retomada do crescimento econômico foi o crescimento de 2.8% do investimento no trimestre. Embora o avanço seja sobre uma base retraída, já corrobora o crescimento observado nos dados mensais de produção e importação de bens de capital. A recuperação dos investimentos produtivos mostra que o setor empresarial, via investimentos, também reconhece um movimento mais consistente de reaquecimento da economia.

“É importante ver a perspectiva dos dados do PIB. Mais difícil seria se tivéssemos um número melhor e indicadores negativos de investimento. Já existem dados do quarto trimestre que indicam atividade industrial positiva, que dão segurança de que nós entramos no processo de crescimento sustentado. Isso é mais importante que o número final do PIB a curto prazo”, explica o ministro da economia, Antônio Palocci. 

Mais carteiras assinadas

Um dado que também merece atenção é o aumento no número de empregos formais, registrado pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), do Ministério do Trabalho e Emprego. Desde janeiro, surgiram quase um milhão de novas oportunidades (910.547) de trabalho formalizadas. Foi registrado o aumento do emprego formal em todas as grandes regiões, com destaque para o Sul e Nordeste. No âmbito dos estados, os melhores resultados foram observados no Rio Grande do Sul, no Rio de Janeiro, em Santa Catarina e no Ceará.

As áreas metropolitanas foram as principais responsáveis pela expansão do emprego celetista. Em outubro, estas áreas corresponderam, conjuntamente, pela geração de 50.629 postos de trabalho. O maior crescimento foi na Grande São Paulo, seguida das áreas metropolitanas do Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Fortaleza. O CAGED é um registro administrativo de declaração obrigatória por toda empresa que tenha apresentado movimentação de empregados celetistas e apresenta cobertura nacional.