Pelo segundo mês consecutivo, valor da cesta básica aumenta em todas as capitais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Do Dieese – Em abril, o valor do conjunto dos alimentos básicos aumentou em todas as capitais onde o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) realiza mensalmente a Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos. Entre março e abril, as altas mais expressivas ocorreram em Campo Grande (6,42%), Porto Alegre (6,34%), Florianópolis (5,71%), São Paulo (5,62%), Curitiba (5,37%), Brasília (5,24%) e Aracaju (5,04%). A menor variação foi observada em João Pessoa (1,03%).

São Paulo foi a capital onde o conjunto dos alimentos básicos apresentou o maior custo (R$ 803,99), seguida por Florianópolis (R$ 788,00), Porto Alegre (R$ 780,86) e Rio de Janeiro (R$ 768,42). Nas cidades do Norte e Nordeste, onde a composição da cesta é diferente das demais capitais, os menores valores médios foram registrados em Aracaju (R$ 551,47) e João Pessoa (R$ 573,70).

A comparação do valor da cesta em 12 meses, ou seja, entre abril de 2022 e abril de 2021, mostrou que todas as capitais tiveram alta de preço, com variações que oscilaram entre 17,07%, em João Pessoa, e 29,93%, em Campo Grande.

Com base na cesta mais cara, que, em abril, foi a de São Paulo, e levando em consideração a determinação constitucional que estabelece que o salário mínimo deve ser suficiente para suprir as despesas de um trabalhador e da família dele com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, o DIEESE estima mensalmente o valor do salário mínimo necessário. Em abril de 2022, o salário mínimo necessário para a manutenção de uma família de quatro pessoas deveria equivaler a R$ 6.754,33, ou 5,57 vezes o mínimo de R$ 1.212,00. Em março, o valor necessário era de R$ 6.394,76, ou 5,28 vezes o piso mínimo. Em abril de 2021, o valor do mínimo necessário deveria ter sido de R$ 5.330,69, ou 4,85 vezes o mínimo vigente na época, de R$ 1.100,00.

 

Cesta x salário mínimo

Em abril de 2022, o tempo médio necessário para adquirir os produtos da cesta básica foi de 124 horas e 08 minutos, maior do que o registrado em março, de 119 horas e 11 minutos. Também é superior ao observado em abril de 2021, quando a jornada necessária ficou em 110 horas e 38 minutos.

Quando se compara o custo da cesta e o salário mínimo líquido, ou seja, após o desconto de 7,5% referente à Previdência Social, verifica-se que o trabalhador remunerado pelo piso nacional comprometeu em média, em abril de 2022, 61,00% do rendimento para adquirir os produtos da cesta, mais do que em março, quando o percentual foi de 58,57%.

Em abril de 2021, quando o salário mínimo era de R$ 1.100,00, o percentual ficou em 54,36%.

Comportamento dos preços dos produtos da cesta

• O óleo de soja registrou aumento em todas as capitais, entre março e abril. As variações oscilaram entre 0,50%, em Vitória, e 11,34%, em Brasília. Os altos preços internacionais e a elevada demanda externa pelo produto pressionaram as cotações no varejo.

• O preço do quilo do pão francês subiu em todas as cidades, entre março e abril. Houve redução da oferta de trigo no mercado externo, por causa do conflito entre a Rússia e a Ucrânia, e, internamente, a valorização do dólar em relação ao real fez com que o produto importado chegasse mais caro ao país. As altas mais expressivas foram observadas em Campo Grande (11,37%), Aracaju (9,70%) e Porto Alegre (7,07%).
Também a farinha de trigo, coletada na região Centro-Sul, apresentou elevações significativas em quase todas as capitais, com destaque para as taxas de Belo Horizonte (11,08%), Porto Alegre (10,07%) e Brasília (9,54%).

• O leite integral registrou aumento de preços em 17 cidades, em abril. As maiores elevações ocorreram em Florianópolis (15,57%), Curitiba (14,15%), Porto Alegre (13,46%) e Aracaju (11,31%). A manteiga também apresentou alta em todas as capitais, em abril, com elevações que variaram entre 0,61%, em Fortaleza, e 6,92%, em Curitiba. A menor oferta no campo, decorrente dos altos custos de produção – medicamentos, adubos, milho, soja e combustíveis – e a disputa das indústrias de laticínios pela matéria-prima elevaram o valor dos derivados lácteos no varejo.

• A batata, coletada na região Centro-Sul, apresentou aumento em todas as capitais, com taxas entre 14,63%, em Porto Alegre, e 39,10%, em Campo Grande. As chuvas e a alta da demanda na Semana Santa provocaram redução na oferta, o que elevou o preço no varejo.

• O valor médio da farinha de mandioca, pesquisada no Norte e no Nordeste, subiu em quase todas as cidades. As maiores variações foram registradas em Natal (7,76%) e Fortaleza (3,73%). A única queda ocorreu em João Pessoa (-1,57%). Com menor oferta da raiz e maior demanda das processadoras, o valor apresentou alta no varejo.

• O preço médio do arroz agulhinha aumentou em 16 capitais. As altas oscilaram entre 0,17%, em João Pessoa, e 10,24%, em Curitiba. A retração foi registrada em Campo Grande (-2,70%). Mesmo com o avanço da colheita em abril e a oferta maior, os preços no varejo seguiram a tendência de valorização da cotação internacional do grão.

• O preço do quilo do café em pó subiu em 16 capitais, exceto em Vitória (-2,73%). Os principais aumentos ocorreram em Aracaju (7,58%), Florianópolis (4,67%), Belo Horizonte (3,74%) e Fortaleza (3,74%). A valorização do dólar diante do real e a alta dos preços internacionais explicaram a elevação no varejo.

• O preço do feijão aumentou em 15 capitais. O tipo carioquinha teve alta em todas as capitais onde é pesquisado: no Norte, Nordeste, Centro-Oeste, em Belo Horizonte e São Paulo. As taxas variaram entre 3,86%, em João Pessoa, e 11,89%, em Belém. Já o preço do feijão preto, pesquisado nas capitais do Sul, em Vitória e no Rio de Janeiro, diminuiu em Vitória (-2,68%) e Florianópolis (-2,20%) e subiu em Porto Alegre (2,51%), Curitiba (2,44%) e Rio de Janeiro (0,57%). A menor oferta do grão carioquinha é um dos motivos da alta no varejo.

Rio de Janeiro

Em abril de 2022, a cesta básica do Rio de Janeiro apresentou aumento em seu valor de 2,36% em relação a março de 2022. Seu custo foi de R$ 768,42, de forma que o município ficou na 4ª posição dentre as cestas básicas mais caras. Em comparação com abril de 2021, a cesta acumula elevação de 23,53%. A variação acumulada no ano foi de 15,33%.

Em abril de 2022, onze dos 13 produtos que compõem a cesta básica tiveram aumento em seus preços médios em comparação com março e dois tiveram redução. Os produtos com aumento de preços foram a batata (22,44%), o óleo de soja (7,67%), o leite integral (6,44%), a manteiga (5,59%), o arroz agulhinha (3,72%), o café em pó (3,22%), o tomate (3,08%), o açúcar refinado (3,07%), o pão francês (2,65%), a farinha de trigo (2,30%) e o feijão preto (0,57%). Apresentaram redução de preços a banana (-6,51%) e a carne bovina de primeira (- 0,14%).

Na comparação com abril de 2021, também onze dos 13 produtos apresentaram elevação. Os produtos com aumento de preços foram o tomate (134,94%) seguida por: o café em pó (86,83%), a batata (73,24%), o açúcar refinado (44,62%), o óleo de soja (31,19%), o leite integral (21,64%), a farinha de trigo (21,00%), o pão francês (11,77%), a manteiga (9,19%), a banana (7,51%) e a carne bovina de primeira (7,26%). Registraram diminuição de preços o arroz agulhinha (-4,46%) e o feijão preto (-0,59%).

No acumulado do ano de 2022, apenas a banana (-3,65%) apresentou redução dos preços. Os demais registraram alta: a batata (114,61%), o tomate (63,79%), o óleo de soja (20,39%), o leite integral (13,53%), a farinha de trigo (12,66%), o feijão preto (11,43%), o café em pó (9,04%), a manteiga (8,81%), o pão francês (7,48%), o açúcar refinado (4,44%), o arroz agulhinha (4,31%) e a carne bovina de primeira (4,1%).

O morador do Rio de Janeiro cuja remuneração equivale ao salário mínimo de R$1.212,00 precisou trabalhar durante 139 horas e 29 minutos para adquirir a cesta básica em abril de 2022. Em março de 2022, o tempo de trabalho necessário havia sido de 136 horas 26 minutos e, em abril de 2021, de 124 horas e 25 minutos.

Considerando o salário mínimo líquido (após o desconto de 7,5% da Previdência Social), este mesmo trabalhador precisou comprometer 68,54% de sua remuneração em abril de 2022 para adquirir os produtos de uma cesta básica suficiente para alimentar uma pessoa durante um mês. Em março de 2022, havia comprometido 69,96% dessa remuneração e em abril de 2021, 54,48%.

 

[Foto: Portal da Prefeitura de Fortaleza]