Petrobrás anuncia avanço na venda de áreas do pré-sal da Bacia de Campos e Sindipetro-ES entra com ação popular contra mais essa privatização. Um excelente negócio, para quem?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Em comunicado divulgado na semana passada, a Petrobrás confirmou o que a imprensa já vinha noticiando: que recebeu ofertas bilionárias dos consórcios PetroRio/Cobra e EIG Global Energies Partners/Enauta/3R Petroleum para a aquisição dos campos de Albacora e Albacora Leste, na Bacia de Campos. Segundo a companhia, as propostas podem superar US$ 4 bilhões. O Sindipetro-ES entrou com ação popular contra a venda dessas duas áreas.
O teaser para a venda dos campos foi apresentado em setembro do ano passado, quando fiz uma publicação questionando a decisão da venda, desnudando suas gritantes contradições e justificando meu posicionamento. Nesse momento reafirmo tudo o que eu disse antes.

Em primeiro lugar, esses campos são gigantes, localizados em águas profundas e ultra profundas, com descobertas no pré-sal. Os atrativos anunciados são motivos para investimento e não desinvestimento nesses campos, como óleo de alta qualidade, várias oportunidades exploratórias mapeadas e projeção de significativo aumento da produção. Um péssimo negócio para a Petrobrás.

São ainda anunciados como atrativos do negócio a inexistência de obrigação de conteúdo local, com potencial impacto negativo para as empresas nacionais, a economia e aumento do desemprego no país e, se não bastasse, a potencial redução de royalties no futuro, afetando as arrecadações do estado e municípios. Um péssimo negócio para o Brasil.

Para tentar barrar a venda de Albacora e Albacora Leste, o Sindipetro Espírito Santo entrou com uma ação popular na Justiça Federal do estado, apontando irregularidades referentes à cessão de sua participação na exploração e produção de petróleos nessas áreas. Segundo a ação, “…em se tratando de campos localizados no polígono do pré-sal, a transferência da exploração de petróleo deveria ocorrer mediante o regime de partilha, e não de concessão. Além da ilegalidade, denunciamos o prejuízo irreparável para União, que deixará de arrecadar bilhões de reais”.
Cabe aqui novamente a reflexão: quem ganha com esse lucrativo e atrativo negócio?

Quem perde nós já sabemos. Perdem a Petrobrás, o Brasil e o povo brasileiro.

 

*Conselheira do C.A Petrobrás