Petroleiros da FUP se reúnem com Equipe de Campanha de Lula para debater plano de governo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Da Imprensa da FUP* – Representantes da FUP estão reunidos nesta manhã com a Comissão responsável pelo Plano de Governo do movimento Vamos Juntos Pelo Brasil, que tem Lula como candidato a presidente e Geraldo Alckmin como candidato a vice. O encontro é o primeiro de uma série de visitas que a comissão realizará em todo o Brasil, recolhendo propostas para elaborar o documento que dará as diretrizes para a reconstrução do Brasil no futuro governo Lula.

Inaugurando esse ciclo, em função do acelerado desmonte da Petrobrás e dos aumentos abusivos dos preços dos combustíveis, o coordenador do programa de governo, Aloizio Mercadante, e os representantes dos partidos que integram a coalizão farão uma visita à sede da FUP para ouvir os petroleiros sobre a situação da empresa, do setor e dos trabalhadores.

Para William Nozaki, pesquisador do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis e integrante da comissão de redação do programa de governo, “a população brasileira enfrenta uma grave inflação de combustíveis e a Petrobrás atravessa um período de desmonte acelerado. A agenda de óleo e gás é uma prioridade para a reconstrução do país. Sabendo disso, a comissão responsável pelo programa de governo da pré-candidatura Lula-Alckmin está se deslocando até a sede da FUP para ouvir o diagnóstico e as propostas dos petroleiros”.

O coordenador geral da FUP, Deyvid Bacelar, destacou a importância do evento: “É uma oportunidade ímpar para a categoria petroleira e para a FUP que esse ciclo de reuniões itinerantes se inicie justamente na nossa sede, numa reunião que tem como objetivo observar e obter as propostas que a categoria, seus sindicatos e a FUP elaboraram na sua Plenária Nacional, e que já foram entregues ao presidente Lula”.

Para Bacelar, esse ato tem uma “dimensão simbólica”: “A FUP se organizou, criou uma pauta democrática com a categoria e se colocou à disposição para a campanha presidencial. Entrou na discussão com conteúdo e com uma posição clara. Um evento como esse mostra bem a dimensão que a FUP está conquistando no debate público do país”.

Bacelar afirma que essa construção política vem de longe: “Estamos nesse processo de construção há dois anos, um processo longo e com várias articulações políticas que fizeram que os petroleiros e petroleiras obtenham espaços importantes, inclusive no setorial de Energia do PT, coordenado hoje pelo companheiro Zé Maria, ex coordenador da FUP e atual pré-candidato a deputado federal pelo PT do Rio de Janeiro”.

E acrescenta: “A partir de todas essas articulações chegamos a um texto robusto, com contribuições múltiplas, de trabalhadores e trabalhadoras do setor, dirigentes sindicais, pesquisadores e economistas que com certeza ajudarão a formular um excelente capítulo do setor de petróleo e gás, com propostas que vão ajudar na reconstrução do Brasil, a partir desse setor estratégico não somente para nosso país, mas para toda e qualquer nação. Esse evento é mais um passo na construção de um Projeto Energético Popular”.

Bacelar explica os principais desafios: “É necessário retomar a comercialização e distribuição dos derivados, que foi privatizada no Brasil. Precisamos ampliar nosso parque de refino, não só ampliando as refinarias existentes, mas também construindo novas refinarias e retomando as obras que estão paradas, e recuperando refinarias que estão sendo privatizadas pelo governo Bolsonaro, como a Landulpho Alves. Precisamos que a Petrobrás retome sua participação no setor petroquímico e seu importante papel na transição energética”. E por fim, afirma: “É necessário tornar a Petrobrás de novo uma empresa de energia, e não apenas uma empresa de petróleo e gás, apequenada e suja, indo na contramão do mundo. A Petrobrás precisa voltar a ser aquela empresa gigantesca indutora da economia brasileira, responsável pelo desenvolvimento econômico, social e regional do nosso país”.

 

*Com edição da Imprensa do NF.