Release: Corte de salários dos petroleiros afetará a vida das pessoas e a economia das cidades

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Nos últimos dias, a Petrobras tomou atitudes trabalhistas ilegais em relação aos seus empregados como a redução de 25% dos salários dos trabalhadores administrativos com redução de jornada, mudou o regime de trabalho de quem atuava embarcado para atuar em terra (desimplante) sem pagar nenhuma indenização e alterou as jornadas de trabalho de pessoas que trabalhavam em turno.

Segundo a empresa, tais medidas que visam economizar 700 milhões tirando do bolso do trabalhador, também vão impactar em cheio as cidades que tem bases e unidades da Petrobrás. “O que vamos ver é que ao tirar dinheiro do salário trabalhador, haverá menos circulação de moeda, menos consumo e impactos econômicos nas cidades onde existem petroleiros e petroleiras atuando ou morando” – explica o Coordenador do Sindipetro-NF, Tezeu Bezerra.

Nenhuma dessas medidas foi negociada ou sequer comunicada ao Sindipetro-NF e a FUP, como determina o Acordo Coletivo da categoria. A diretoria do Sindipetro-NF percebe que a atual gestão da Petrobrás repudia o Diálogo Social, seguindo os passos do Executivo Federal.

“Quando a empresa altera o regime e a jornada de trabalho, de forma simples ela age de forma ilegal e viola a Constituição, a legislação do trabalho e o Acordo Coletivo de Trabalho vigente. Sem falar que atinge em cheio a sua força de trabalho num momento de Pandemia, em que está trabalhando preocupada com o sua saúde e com o contágio, ou seja, quando necessitaria de mais proteção – denuncia Tezeu.

Para reverter tais decisões unilaterais, o Sindipetro-NF entrará com ações em substituição processual dos trabalhadores prejudicados, com pedido de tutela de urgência.