Nascente 1262

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

[VERSÃO EM PDF NA ÍNTEGRA NO FINAL DA PÁGINA]

 

A SEMANA

Editorial

Uma escolha muito fácil para trabalhadores

Mesmo a essa altura, é possível que existam petroleiros e petroleiras em dúvida sobre qual caminho escolher no próximo dia 30. É compreensível. O bombardeio de fake news, os apelos a vínculos religiosos, as distorções, o uso da máquina pública de forma descarada, tudo isso tem feito a população ter sua atenção desviada de assuntos fundamentais que devem estar no foco de quem realmente constrói o país: os trabalhadores e as trabalhadoras.

O petroleiro e a petroleira, se focarem bem no Setor Petróleo e nas relações de trabalho, não terá dificuldade de se ver diante de dois modelos muito diferentes de governar: um que, por experiência concreta e por programa, defende o fortalecimento da Petrobrás, a retomada dos empregos no Setor Petróleo, a Política de Conteúdo Nacional (compras da Petrobrás que priorizam a indústria brasileira, como a construção de plataformas do Brasil), a valorização dos salários e a garantia de direitos trabalhistas.

E outro que, também por experiência concreta e por programa, defende a privatização da Petrobrás, o estímulo à informalidade, a redução dos investimentos, desvalorização dos salários (o menor salário mínimo desde 1994 e previsão de reajuste abaixo da inflação para 2023) e a retirada de direitos trabalhistas.

Está tudo muito claro. A escolha nunca foi tão fácil para quem é trabalhador e verdadeiramente patriota.

Alimentação na UMS

O NF se reuniu no último dia 21 com gerências da Petrobrás para tratar de denúncias recebidas pela entidade sobre problemas na alimentação nas UMS. Um dos casos recorrentes é de trabalhadores que, em razão de atrasos de voo, encontram o refeitório fechado a bordo. Os representantes da empresa “reconheceram o erro desse procedimento e afirmaram que tomaram medidas para que esse e outros problemas não se repitam, como neste caso, dar tratamento exclusivo para que quem embarque não fique sem se alimentar”, informa o diretor sindical Alexandre Vieira.

Teste no Farol

O NF recebeu nesta semana informação de que a Vigilância Sanitária de Campos dos Goytacazes já autorizou o funcionamento de um local de testagem de Covid-19 no Heliporto do Farol de São Thomé. No início de outubro, em reunião com o NF e representantes do município, a Petrobrás previu o início dos testes para o final do mês.

Aposentados

Aposentados, aposentadas e pensionistas têm reunião setorial nesta quinta, 27, às 10h, na sede do NF em Macaé, para discutir as eleições e a conjuntura política do país. A setorial será em formato híbrido (presencial e online). Haverá ônibus com saída às 8h da sede de Campos dos Goytacazes.

Carestia

Há uma grande diferença entre inflação e carestia. É possível que a inflação caia (em relação ao mês anterior, por exemplo) e ainda assim os produtos continuem em patamares muito elevados, mantendo a carestia. É exatamente o que está acontecendo no Brasil. Só alguns exemplos de altas de janeiro de 2020 a setembro de 2022: arroz (47,2%), feijão (33,3%) e cebola (121,7%).

Lula não pode

Os sindicatos dos petroleiros e a FUP vêm recebendo denúncias sobre discriminação eleitoral no ambiente de trabalho. Trabalhadores com adesivos do candidato à presidência da República Luiz Inácio Lula da Silva e de partidos de oposição ao governo estão sendo impedidos de entrar com o carro na garagem das unidades da Petrobrás.

Bolsonaro pode

Enquanto isso, os bolsonaristas camuflam suas manifestações de apoio ao seu candidato por meio de uso de bandeiras do Brasil no carro. A empresa alega que “o verde-amarelo” representa símbolo nacional. A gestão bolsonarista da companhia comporta-se, portanto, como vários empresários que driblam a lei, alguns até afirmando que “pintou um clima” de Copa do Mundo.

Falcão Bauer

Petroleiros e petroleiras da Falcão Bauer podem enviar até este domingo, 30, sugestões de reivindicações para o Acordo Coletivo de Trabalho. A data-base da categoria é em novembro e o sindicato avalia como sendo essencial a participação dos trabalhadores. As sugestões, muito estimuladas pelo Departamento do Setor Privado, podem ser enviadas para [email protected]

 

VOCÊ TEM QUE SABER

Uma semana para os próximos quatro anos

No próximo domingo, os brasileiros voltam às urnas na eleição mais importante para o país desde a redemocratização. Estão em disputa dois projetos muito distintos e claramente posicionados. Em relação à Petrobrás e a todo o Setor Petróleo, incluindo as empresas privadas do segmento, as opções para o eleitor são de candidaturas que, ambas experimentadas no exercício do governo, têm na bagagem feitos e promessas totalmente opostos.

Somente se tomado como exemplo o Acordo Coletivo dos Trabalhadores da Petrobrás, os dados mostram que o número de cláusulas, que saltou de 100 para 182 entre 2002 e 2015, recuou para 102 em 2022. Nos empregos no setor, outro recuo: entre os diretos na companhia, que chegou a 86.065 em 2013, o tombo foi para 45.532 em 2021. Nas empresas privadas do setor, que chegou a 360.372 em 2012, caiu para 99.126 em 2021. Todos dados do Dieese.

Estes números são pequeníssimos exemplos da diferença entre os momentos de governo representados pelas duas candidaturas que disputam esse segundo turno. Tudo isso está relacionado a muitas outras variáveis, como investimentos na Petrobrás, política de compras nacionais, postura em relação ao pré-sal, relação com os trabalhadores e suas entidades representativas, política de valorização salarial, direitos trabalhistas e previdenciários, entre muitas outras.

Hora da decisão

Nos últimos meses, o Sindipetro-NF e a FUP têm deixado claras as suas posições e conscientizado a categoria sobre o momento dramático vivido pelo país. De forma transparente, exibiram dados (todos ainda disponíveis nos sites e redes sociais das entidades) e mostraram qual das opções está do lado do trabalhador. O leitor e a leitora sabem qual é. Agora é a hora de decidir qual Petrobrás, qual setor petróleo, qual tipo de relação de trabalho, cada um e cada uma vai querer. O sindicato deseja a todos e todas uma boa votação.

NF ao vivo: Programa desta quarta vai dialogar sobre indecisos

O programa NF ao vivo desta semana decisiva para os próximos quatro anos (ou quem sabe até mais), nesta quarta, 26, às 19h30, vai reunir convidados para debater o perfil dos indecisos nas eleições.

De acordo com pesquisa Ipec divulgada na última segunda-feira, apenas 2% do eleitorado afirmam estar indeciso em relação ao voto neste segundo turno. No entanto, 7% que declaram voto em algum candidato afirmam que ainda podem mudar, enquanto 5% afirmam que vão votar em branco ou nulo.

O programa é nas páginas do Facebook e no Youtube do Sindipetro-NF.

Estrella brilhou no desmonte de fake news sobre endividamento

Uma dívida tomada para investimento em uma verdadeira mina de ouro negro, com 100 bilhões de barris de petróleo, a maior descoberta de província petrolífera mundial em 50 anos. Como sabem todos os agentes financiadores, um compromisso de pagamento altamente seguro e rentável. Não por acaso os bancos, que não são casas de caridade, emprestaram os recursos necessários à Petrobrás para que a empresa explorasse o pré-sal. E é isso que tem garantido à companhia resultados positivos até hoje. Assim pode ser resumido o modo como o ex-diretor de Exploração e Produção da Petrobrás, Guilherme Estrella, geólogo considerado o “pai do pré-sal”, explica a tal dívida bilionária da companhia que o presidente Bolsonaro tem citado em debates.

“O pré-sal é a maior província petrolífera descoberta no planeta nos últimos 50 anos. São 100 bilhões de barris de petróleo na costa brasileira, em território nacional, em frente a São Paulo e Rio de Janeiro. Isso exigiria, a Petrobrás como operadora única, de acordo com o marco regulatório, recursos muito extensos [para explorar], mas com a segurança de pagamento e ressarcimento aos financiadores, que é o pré-sal. Isso é o que interessa aos bancos”, explicou Estrella, no programa NF ao vivo da semana passada (is.gd/nfaovivo191022).

No debate na Band, no último dia 16, o presidente falou em R$ 900 bilhões em dívidas da Petrobrás [o montante também é controverso e já foi considerado falso ou exagerado por agências de checagem], mas não reconhece que o valor foi tomado para que a empresa tivesse os recursos necessários para investir na exploração do pré-sal. Estudo do Dieese [disponível em is.gd/dividapetrobras] também mostra que a dívida foi menor do que o alegado.

Componente de AW-139 gera apreensão

O Sindipetro-NF cobrou nesta semana, da Petrobrás, mais informações sobre inspeções e condições de um componente que apresentou falha de uma aeronave AW-139, que tem um histórico de problemas, inclusive com acidente fatal. O pedido de detalhamento acontece em razão de a empresa, em uma primeira resposta a ofício do sindicato, não ter demonstrado a preocupação devida em relação ao caso e negado semelhança com um acidente de 2011.

O sindicato também solicitou que seja verificado junto às operadoras e ao fabricante se há a proibição de realização neste componente de ensaios não destrutivos como Líquido Penetrante, Correntes Parasitas ou outros ensaios já largamente utilizados em componentes, na indústria aeronáutica, podendo inclusive ser realizados em serviço, por não exigirem sequer a desmontagem dos componentes. E que se, caso não haja proibição, o NF sugere que sejam realizados estes ensaios nos componentes ainda em serviço, em prol da segurança, preservação da imagem de segurança destas aeronaves e vida dos passageiros.

 

Denuncie assédio para votar em candidato dos empresários

Nos últimos dias, aumentaram os casos de assédio eleitoral por parte dos patrões para que os trabalhadores e trabalhadoras votem em seu candidato. Alguns empresários ameaçam com demissões, outros prometem prêmios em dinheiro. As centrais sindicais e sindicatos alertam que isso é crime e criaram um canal para denúncia.

A campanha leva a uma plataforma onde os trabalhadores podem denunciar o assédio sem precisar se identificar. A CUT vai encaminhar todas as denúncias ao Ministério Público do Trabalho (MPT) para garantir os direitos dos trabalhadores poderem escolher cm liberdade em quem vão votar no dia 30 de outubro.

Para denunciar basta acessar o formulário pelo link www.cut.org.br/denuncia/eleitoral ou pelo qr code da imagem acima.

NAS RUAS PELA EDUCAÇÃO – O Movimento Estudantil realizou, no último dia 18, protestos contra os ataques do governo federal à educação pública. No Norte Fluminense, atos em Macaé e em Campos dos Goytacazes reuniram centenas de estudantes. Na primeira, a maior concentração ocorreu na Praça Veríssimo de Melo. Na segunda, na Praça São Salvador. O NF participou dos protestos.

 

NORMANDO

Desordem

Normando Rodrigues*

“Ordem”, no Brasil fascista, significa lançar granadas contra pobres, trabalhadores e servidores públicos. Para os que lançam as granadas, é garantida a desordem em nome do lucro dos ricos e da corrupção de mandatários fascistas e aliados. Vejamos por setores.

Classe média

Em 2018 muitos aderiram a Bolsonaro alegadamente porque queriam “ordem” e “não aguentavam mais tanta bandidagem”. O real motivo, contudo, era o filho da empregada doméstica entrar na universidade pública. Onde se viu, o imposto pago pelos pobres custear ensino superior de filhos de pobres? O pobre sair de seu lugar de destino é uma “desordem” que deve ser combatida.

Sonegadores (empresários do varejo e astros do futebol e do “sertanejo”) – Aqueles que se recusam a recolher impostos se juntaram a Bolsonaro em troca da continuidade da desordem tributária. Quando certo secretário de fazenda reclamou que sem os impostos não teria como pagar professores, o varejista-bandoleiro deu a ordem: “Demita metade!”

Industriais

Bolsonaro seduz parcela desses com a perspectiva de aprofundar a desordem nas relações de trabalho. Acham que ganharão com a redução do “custo” da mão de obra ao nível da escravidão, no estilo da Fiat, Mercedes, BMW e outras, sob Mussolini e Hitler. Esquecem que os planos do fascismo só contemplam a “Plantation Brazil”, exportadora de soja e demais commodities e importadora de máquinas.

Agrotrogloditas

Além do trabalho escravo, ou quase, Bolsonaro lhes proporciona a maior das desordens ambientais. Colocou na agricultura uma representante de vendas de produtos cancerígenos proibidos na maioria dos países do planeta, e no meio ambiente um contrabandista de madeiras nobres ilegalmente arrancadas da floresta. Regulariza terras roubadas dos povos originários, da União e de pequenos agricultores. O pouco que não for plantado, cimentado ou azulejado, nem destruído ou envenenado pelo garimpo, será mantido em bosques para turistas e reservas de caça. Pagando bem, caçadores estrangeiros poderão até caçar “índios”.

Povos originários

Nessa ordem, “índio” bom é o morto ou o aculturado (tipo o viagrado general Mourão, “indígena” nas eleições de 18, mas que nas atuais se declarou “branco” ao TSE). Respeitados esses dois critérios (morto ou aculturado) e separados por gêneros rosa e azul, os “selvagens” são bastante úteis ao governo Bolsonaro.

As meninas, todas “parecidas”, podem ser ordenadamente abduzidas pelas “Damares”. Ordenadamente “arrumadas”, as indiazinhas ficam “bonitinhas” e até “rola um clima” de pedofilia presidencial.

Já para os meninos a receita é cozinhar ordenadamente seus corpos e servir com banana. Bolsonaro em breve oferecerá essa iguaria a seus seguidores. Precisa apenas de mais uns votos.

* Assessor jurídico do Sindipetro-NF e da FUP. [email protected]

 

1262merge