Depois de 12 dias de greve, os trabalhadores do setor de WP da Halliburton decidiram em assembleia realizada no dia 05 de junho, suspender o movimento grevista por 90 dias.

A decisão foi tomada após audiência de conciliação realizada entre o Sindipetro-NF e a Halliburton, na qual a empresa se comprometeu com a retomada da compra de folgas suprimidas e estabilidade no emprego por noventa dias. Durante esse prazo, o sindicato e a empresa irão negociar uma forma de resolver definitivamente o pagamento da folgas acumuladas. 

O Sindipetro-NF ressalta que a greve é um direito que os trabalhadores possuem como forma de cobrar seus direitos, quando esses não são atendidos. Como foi o caso da Halliburton, que só aceitou uma negociação após o movimento dos trabalhadores e trabalhadoras.

Ressaltamos ainda que já recebemos algumas informações de possíveis retaliações, o que não será aceito pela entidade sindical. Caso algum trabalhador sofra com esse procedimento totalmente ilegal, deve denunciar ao sindicato para que possamos entrar com a denúncia na justiça.

Retomada do acordo nacional

Com a suspensão da greve e o acordo com prazo de 90 dias, nesta quarta-feira, 14, será retoma a discussão do acordo nacional, que havia sido interrompida durante o movimento grevista.

 

 

A diretoria do Sindipetro-NF decidiu reabrir o prazo para que as plataformas e UMS (Unidade de Manutenção e Segurança), da Bacia de Campos, realizem assembleias para eleição de delegados e delegadas ao 13º Congresso dos Petroleiros do Norte Fluminense. As assembleias a bordo podem ser feitas até a quinta, 15, com retorno de atas até às 12h da sexta, 16. O objetivo é garantir uma maior participação da categoria em um momento decisivo para a classe trabalhadora brasileira.

Nas bases de terra e sedes do sindicato, as assembleias começaram na segunda e seguem hoje e amanhã (veja abaixo o calendário).

A escolha dos delegados e delegadas que representarão as bases e unidades marítimas é o primeiro passo da Campanha Reivindicatória. Eles é que terão a responsabilidade de discutir o cenário brasileiro, a conjuntura da Petrobrás, as estratégias de luta e propostas para a pauta de reivindicações que será entregue à companhia.

O 13º Congrenf será realizado na sede do Sindipetro-NF, em Macaé, entre os dias 26 e 28 de junho, e terá como tema "Diretas por direitos". Além de discutir a conjuntura nacional de cortes de direitos trabalhistas e previdenciários, assim como o desmonte da Petrobrás e do setor público brasileiro, o evento vai eleger delegados e delegadas ao Confup (Congresso da Federação Única dos Petroleiros), que neste ano elege nova direção para a FUP em um momento crítico da vida nacional.

Participação da mulher

O Sindipetro-NF destaca que é importante estimular a participação das petroleiras nas assem-bleias e na ocupação de vagas de representação no Congresso. Pela primeira vez, haverá cota feminina (de 17%) na delegação ao Confup e na diretoria da FUP.

Calendário

Base / Data / Hora / Nº del

Sede de Macaé / Terça, 13 / 17h30 / 10

UTGCAB / Quarta, 14 / 7h / 07

Sede de Campos / Quarta, 14 / 10h / 10

Edinc / Quarta, 14 / 13h / 04

Plataformas e UMS - Até quinta, 15, com retorno de atas até às 12h da sexta, 16 (02 titulares e 02 suplentes para cada plataforma 01 titular e 01 suplente para cada UMS).

Assembleias já realizadas: Imbetiba (15 del) e Parque de Tubos (06).

O Sindipetro-NF decidiu prorrogar o prazo para a solicitação da devolução do Imposto Sindical. Os sindicalizados terão até a domingo, 18, fazer o pedido através do link disponível no site da entidade.

Setor Privado - os trabalhadores do setor privado, terão que encaminhar por e-mail a cópia do contracheque com o desconto para O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .

Princípio - O NF segue orientação e princípio da CUT e devolve a parte que lhe caberia do imposto sindical, que é 60% do que é recolhido do trabalhador. A entidade  acredita que toda forma de contribuição deve ser espontânea e aprovada em assembleia.

Cinco trabalhadores ficaram a deriva, após terem problemas com o bote de resgate da P-54, durante um teste, nesta segunda-feira, 12. A embarcação de resgate foi acionada por volta das 10h para socorrer os tripulantes, que ficaram mais de duas horas a deriva e só retornaram para a plataforma às 13h.


Segundo informações, durante a manobra de reatracagem, devido a posição do bote em relação ao vento e à maré, o bote foi jogado contra a plataforma, causando problemas na sua estrutura. Além da água que começou a entrar na embarcação o motor parou de funcionar. Trabalhadores que estavam na plataforma chegaram a jogar uma balsa inflável, que não tinha nenhum mantimento, e não foi o suficiente para garantir a segurança dos trabalhadores.


Inicialmente o barco de apoio estava rebocando o bote e a balsa, mas para agilizar o resgate eles passaram os tripulantes para dentro do barco e deixaram o bote e a balsa para serem resgatados depois. O bote foi levado para a outra plataforma e agora a P-54 está apenas com um barco de apoio para os resgates.


Apesar de sem feridos, o caso é considerado de alto risco, pois o fato tinha grande potencial para causar danos físicos nos tripulantes, além disso, o caso deixa danos psicológicos nos envolvidos.


Vale ressaltar ainda que essa sequência de episódios, considerados como "acidentes" pelas empresas, reforçam a tensão dos trabalhadores e trabalhadoras, que não aguentam mais trabalhar em meio a esse cenário de insegurança.


É necessário que a Petrobras, assim como as demais empresas do setor petrolífero, entendam a importância da vida de cada trabalhador e cada trabalhadora e mais ainda, entendam que todo investimento é necessário e valido para prevenir esses "acidentes".


O Sindipetro-NF reforça que continua sua luta para acompanhar o funcionamento das unidades terrestre e marítimas e destaque que os companheiros e companheiras, que identificarem alguma anormalidade na sua unidade de trabalho deve comunicar ao Sindicato, através do e-mail  O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.


Uma comissão será instalada e o Sindicato participará para avaliar o caso.

 

Em assembleia realizada no final desta segunda-feira, 12, os trabalhadores e trabalhadoras da  Baker/BJ decidiram por aprovar o acordo proposto pela empresa.

A proposta definiu o reajuste de 7,5% para o  ACT 2016/17 e de 4,58% para o ACT 2017/18, índices abaixo da inflação acumulada nos dois anos medida pelo ICV Dieese, causando perda de 0,42% aos trabalhadores.

O Sindipetro-NF indicou rejeição da proposta por acreditar que, apesar da conjuntura difícil que vivemos, é inadmissível que a classe trabalhadora perca direitos enquanto a elite política-economica do país mantêm privilégios.

Apesar da indicação do sindicato, a maioria dos presentes, democraticamente, entenderam por aprovar a proposta da empresa.

A Baker/BJ será notificada da decisão e o sindicato aguardará a minuta do acordo para assinatura. 

[FUP] Os trabalhadores da Petrobrás que atuam na área de refino estão aprovando greve por tempo indeterminado contra a redução dos efetivos na operação. A greve, cuja data será anunciada ainda pela FUP, já foi aprovada na Refap (RS) por mais de 90% dos trabalhadores. O mesmo vem acontecendo na Replan (SP), na Reduc (RJ), na Reman (AM) e na Repar (PR), onde as assembleias estão aprovando por ampla maioria a adesão ao movimento. Na Recap (SP), na Abreu e Lima (PE), na Rlam (BA), na Regap (MG) e na Lubnor (CE), as assembleias começam nesta terça, 13.

Na próxima segunda-feira, dia 19, data da reunião da Comissão de SMS, os petroleiros farão um esquenta da greve, com uma grande mobilização nacional por condições seguras de trabalho, envolvendo toda a categoria, em todo o Sistema Petrobrás. A redução de efetivos é reflexo direto do desmonte que a empresa vem sofrendo nos últimos anos e que foi potencializado pela gestão Pedro Parente, com a privatização de unidades e um plano de negócios que reduz drasticamente o papel da companhia no setor de energia.

O resultado dessa política é o aumento da terceirização e a precarização das condições de trabalho. O acidente na última sexta-feira, 09, com o navio sonda da Odebrecht, fretado pela Petrobrás, é um exemplo trágico do desmonte da empresa, cujo setor de sondagem e perfuração está hoje nas mãos do setor privado. Três trabalhadores morreram, todos terceirizados. Apenas um dos feridos sobreviveu. Só com luta e organização, a categoria vai conseguir barrar o desmonte da Petrobrás, preservar os empregos e garantir respeito à vida.

O Sindipetro-NF recebeu a informação de que às 22h28, deste domingo,11, ocorreu um princípio de incêndio na P-35, localizada no Campo de Marlin. O incêndio foi registrado no reaquecedor do sistema de gás combustível da planta de glicol e foi debelado com mangueira, logo após o alarme de emergência ser acionado.  Há uma grande probabilidade do caso ter sido causado  por um vazamento de glicol, em alta temperatura. A produção foi interrompida devido a proximidade do local com o controle da geração que teve que ser evacuado. Felizmente não houve feridos.

A CIPA fará uma primeira avaliação e ainda hoje haverá um reunião extraordinária. Uma comissão será criada para investigar as causas e abrangências do ocorrido.

Apesar de ninguém ter sido ferido neste episódio da P-35, para a diretoria do Sindipetro-NF é preocupante e inaceitável essa sequência de acidentes ocorridos nos últimos dias, incluindo a explosão no NS-32, que levou a vida de três companheiros.

 Esse quadro de insegurança crônica e deliberada que se instalou na empresa e no país com políticas que tratam o trabalhador e a trabalhadora como meros números e obstáculos ao lucro da elite brasileira e mundial geram consequências psicológicas no trabalhador, que teme por sua vida e ao mesmo tempo pelo seu emprego. Precisamos dar um basta nessa situação e por isso reiteramos que continuaremos a luta pelo fim desse descaso.

 Lembramos também aos trabalhadores que qualquer denúncia pode ser passada no e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. , afim de tentar ao máximo evitar novas tragédias. 

O Departamento Jurídico do Sindipetro-NF informa que, no último dia 6, a Transpetro foi condenada pela 1ª Vara do Trabalho de Macaé ao pagamento de indenização aos trabalhadores do Grupo C do Terminal de Cabiúnas. Estes trabalhadores sofreram perseguições e punições em razão da adesão à paralisação realizada em 24 de julho de 2015.

O sindicato entrará em contato com trabalhadores, além de divulgar em suas mídias mais informações sobre como será feita a relação de todos os trabalhadores do grupo. Os valores devidos serão apurados em execuções individuais, como foi definido pelo magistrado responsável pelo caso.

A empresa ainda pode recorrer da decisão. O processo pode ser acompanhado pelo número 0011866-43.2015.5.01.0481.

Para o diretor do Sindipetro-NF, Cláudio Nunes, que é lotado na base de Cabiúnas, esta é uma importante vitória política da categoria, pois mostra que a mobilização é a verdadeira arma dos trabalhadores e que não pode ser impedida por atitudes arbitrárias dos gestores.

O sindicalista lembra que esta reafirmação da legitimidade da mobilização dos trabalhadores é essencial para seguir lutando em outras frentes, com a que envolve a cessão de trabalhadores da Transpetro.

 

[Da Rede Brasil Atual, com edição da Imprensa do NF] 

Movimentos de mulheres e organizações feministas realizaram ato-show, no Largo do Arouche, em São Paulo, neste domingo (11), para exigir a saída do presidente Michel Temer (PMDB-SP) e a realização de eleições diretas já. O ato, convocado por artistas, intelectuais e atletas conta com a participação das cantoras Maria Gadú, Tulipa Ruiz, Ana Cañas, Lurdez da Luz, entre outras.

"A gente não quer só que o Temer caia. A gente quer ele caia pelas nossas mãos. E a gente quer mais que eleições diretas, a gente quer barrar as reformas", diz Camila Kfouri, uma das articuladoras do momento, em entrevista à RBA.

Além da mudança do atual governo e a realização de novas eleições, a manifestação intitulada Mulheres Pelas Diretas e Por Direitos também marca posição contra a retirada de direitos dos trabalhadores representada pelas propostas de reforma trabalhista e da Previdência, que as prejudicarão ainda mais gravemente.

Elas também reivindicam o combate a todas as formas de violência contra a mulher e lutam pela derrubada da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 29/2015, que proíbe o aborto mesmo em caso de risco à vida da gestante, gravidez gerada por estupro ou fetos com anencefalia, hoje considerado legal para estes casos.

"Sai daí, Temer golpista! Eu quero mais do que as diretas, eu quero direitos. Aqui tem guerreira, o Brasil não é feira", exclamou a MC Bárbara Bivolt. Já a rapper feminista Luana Hansen ressaltou a luta por direitos. "Nenhum direitos a menos. Enquanto a Justiça estiver fazendo isso, a gente vai lugar pelos nossos direitos."

Sonia Coelho, da Marcha Mundial das Mulheres (MMM), ressaltou que o golpe parlamentar que colocou Temer no poder é "misógino" e aprofunda a retirada de direitos, principalmente das mulheres. Ela diz que o pleito por mais direitos está vinculado a uma plataforma popular e feminista. "Enquanto a gente está lutando contra as reformas, eles tentam retirar o direito das mulheres ao aborto legal."

Miriam Hermógenes, da Central de Movimentos Populares (CMP), convocou as mulheres a participarem da greve geral marcada para o próximo dia 30, contra as reformas e pela saída de Michel Temer. "A greve não é dos sindicatos. É dos trabalhadores e trabalhadores. Se não pararem essas reformas, se o temer não cair, o Brasil vai parar."

A MC Brisa Flow lembrou que as vozes, no ato-show, são das mulheres, mas o diálogo é com todos. "O problema da violência contra a mulher é um problema de todos. Não é um evento exclusivo das mulheres. Eles tentam invisibilizar a gente dentro da política, dentro das artes, na vida, em geral, e na sociedade. Enquanto a gente não estiver nem no poder e nem na política, não vai ter direitos para nós. Por isso, a gente está aqui pelas diretas, e por direitos."

Já as "manas" do Slam das Minas e Trans-sarau pediram diretas e direitos, com poesia, contra o machismo e a transfobia, por "liberdade, luta e gozo", pelo direito de "existir e ocupar", com sequência de poesias declamadas que, além da mulher, abordam a pobreza e a vida na periferia, com suas dificuldades, desafios e preconceitos.

"Somos contra essas reformas absurdas desse governo golpista e machista. A onda agora é ir para as ruas e resistir", diz a cantora e compositora paraense Aíla, que também sobe ao palco no Largo do Arouche.
"Temer não será deposto pela Rede Globo, será deposto por nós, nas ruas". A ex-ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República, Eleonora Menicucci, afirmou que há risco de consolidação de um "fascismo social", que ataca os direitos das mulheres, e lembrou, como exemplo, da disputa judicial com o ator Alexandre Frota, condenada a pagar R$ 10 mil reais por afirmar que o ator estimula a cultura do estupro.

"Não é só contra mim, é contra todas as mulheres. Nenhuma mulher a menos. Pela descriminação e legalização do aborto. Tudo isso só será conquistado com eleições diretas. Não existe democracia sem o voto soberano. Nós queremos votar. Com esse Congresso que está aí, não conseguiremos nada", afirmou Eleonora.

Já a vereadora Juliana Cardoso (PT-SP) afirmou que o ato serve para mostrar que "as mulheres podem, sim." Aquele Congresso tirou uma mulher eleita, querendo dar um recado para nós mulheres. Mas eles se enganam. Eles não sabem que nós, mulheres, temos a força para avançar." Ela também destacou que as reformas da Previdência e trabalhista as afetam ainda mais gravemente. "Tudo isso vai bater diretamente nas mulheres."

Porto Alegre

Em Porto Alegre, o ato-show pelas Diretas Já deste domingo foi realizado no Parque da Redenção. Os manifestantes reivindicaram o afastamento do presidente Michel Temer (PMDB-SP), com realização de eleições diretas, e também protestam contra as reformas da Previdência e trabalhista, principais bandeiras do atual governo.

O ato-show foi organizado por artistas do coletivo Cultura pela Democracia, com o apoio das frentes, Brasil Popular e Povo Sem Medo, da CUT-RS, e demais movimentos e partidos.

Salvador

Milhares se reuniram no Farol da Barra, principal cartão postal e ponto de concentração em Salvador, na tarde deste domingo (11) no movimento Bahia pelas Diretas Já, pela saída do presidente Michel Temer (PMDB-SP) e pela derrubada das reformas trabalhista e da Previdência.

Além de cantoras como Daniela Mercury e Márcia Castro, participaram da mobilização movimentos sociais e partidos que compões as frentes Brasil Popular e Povo sem Medo.

Recife

Música e política também deram o tom da manifestação Recife Pelas Diretas Já, no Cais da Alfândega, no centro da capital pernambucana.

Assim como nas demais capitais, os recifenses também querem a saída do presidente Michel Temer, com a participação da população na escolha do sucessor. Eles também protestaram contra as reformas trabalhista e da Previdência e o congelamento dos investimentos sociais determinado, em emenda constitucional, pelo governo federal.

"Estamos presentes no ato pelas diretas já!, É um movimento que vem crescendo e criando força pela saída do golpista da presidência. Precisamos resgatar nossa democracia, e garantir os nossos direitos conquistados à custa de muita luta e sangue dos que nos antecederam", afirmou Carlos Veras, presidente da CUT-PE, uma das entidades que apoiam o movimento, juntamente com as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo.

 

Começa hoje, e segue até o dia 26 de junho, o período de eleição para a representação dos participantes ativos nos Conselhos Deliberativo e Fiscal da Petros. A votação é feita no site da Petros ou por telefone (0800 602 7550). Um dos diretores do Sindipetro-NF, Rafael Crespo está entre os candidatos e tem o apoio da entidade.

As duplas apoiadas pela FUP e por seus sindicatos são a de número 47, que disputa a vaga do Conselho Deliberativo, com Crespo (NF) e André Araújo (BA), e a de número 51, que concorre ao Conselho Fiscal, com os petroleiros Arthur Ferrari (RJ) e Fernando Maia (RS).

As chapas apoiadas pela FUP e pelo NF têm materiais disponibilizados em página do Facebook.

Os petroleiros das bases de terra, em Macaé, começam hoje a realizar assembleias para eleição de delegados e delegadas ao 13º Congresso dos Petroleiros do Norte Fluminense. A primeira é a da base de Imbetiba, que será feita às 13h, na Praia Campista.

Plataformas e UMS têm até às 12h de hoje para o envio das atas das assembleias, que começaram na última sexta, 9.

O 13º Congrenf será realizado na sede do Sindipetro-NF, em Macaé, entre os dias 26 e 28 de junho, e terá como tema "Diretas por direitos". O congresso discute a pauta de reivindicações da categoria e a conjuntura do País e do Sistema Petrobrás, além de eleger delegados e delegadas ao Confup (Congresso da Federação Única dos Petroleiros).

Participação da mulher

O Sindipetro-NF destaca que é importante estimular a participação das petroleiras nas assembleias e na ocupação de vagas de representação no Congresso. Pela primeira vez, haverá cota feminina (de 17%) na delegação ao Confup e na diretoria da FUP.

Confira abaixo o calendário completo:

Base / Data / Hora / Nº del

Imbetiba (P.Camp.) / Segunda, 12 / 13h / 15

Parque de Tubos / Terça, / 13 / 13h / 06

Sede de Macaé / Terça, / 13 / 17h30 / 10

UTGCAB / Quarta, 14 / 7h / 07

Sede de Campos / Quarta, 14 / 10h / 10

Edinc / Quarta, 14 / 13h / 04

Plataformas e UMS: De sexta, 9, a domingo, 11, com retorno das atas até às 12h da segunda, 12. / Dois delegados por plataforma e um por UMS, todos com um suplente cada.

 

 

Uma verdadeira tragédia marcou o fim de semana da categoria petroleira. Nesta madrugada, perdemos mais um companheiro, subindo para três o número de mortos, vítimas da explosão, ocorrida, nesta sexta-feira, 09, no navio sonda NS-32 (Norbe VIII), afretado pela Odebrecht, que opera na Bacia de Campos. Eduardo Aragão de Lima, de 33 anos, estava internado no HPM, em Macaé, e morreu às 00h20, deste domingo.

O mesmo acidente também levou a morte os companheiros Erickson Nascimento de Freitas, 29 anos, e Jorge Luiz Daminão, de 44 anos. E ainda deixou Fernando Garcia com ferimentos. Apesar dos ferimentos, Fernando ficou internado do HPM, mas já foi liberado e está em casa.

Diante desta notícia reiteramos o compromisso de luta para que esse episódio não seja esquecido ou considerado apenas um acidente. Para a diretoria do Sindipetro-NF esse caso, assim como outas já registrados, não podem ser considerados acidentes. Três vidas foram levadas, por conta da forma irresponsável a qual são tratados os trabalhadores e a trabalhadoras do setor petrolífero, agindo como ser seres humanos fossem apenas meros números e obstáculos ao lucro da elite brasileira e mundial.

Deixamos aqui o nossos mais sinceros sentimentos a todos e todas familiares, parentes, amigos, colegas e conhecidos de Eduardo, assim como de Jorge e Erickson, que também foram assassinados por uma gestão desumana emprega pela Petrobras e outras tantas empresas do ramo. O departamento de saúde, através da assistência social, está empenhada a acompanhar os casos de perto para, de alguma maneira, tentar ajudar àqueles que sentem mais essa perda para a classe trabalhadora brasileira.

O diretor Valdick de Oliveira também já está embarcada compondo a comissão de análise do acidente garantida no Acordo Coletivo de Trabalho e em breve comunicares os próximos passos.

Lembramos também aos trabalhadores que qualquer denúncia pode ser passada no e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. , afim de evitar novos casos como este.

Sobre o acidente - Na manhã desta sexta-feira, 09, durante inspeção anual NR-13 a caldeira do navio sonda NS-32 (Norbe VIII), afretado pela Odebrecht, na Bacia de Campos, foi colocada em operação, em seguida ocorreu ruptura do tampo inferior liberando vapor e atingindo quatro trabalhadores. Destes quatro trabalhadores, três não resistiram e acabaram morrendo. A causa da ruptura ainda está em investigação

Pagina 6 de 687

Sede MacaéMacaé

Rua Tenente Rui Lopes Ribeiro, 257 Centro - CEP 27910-330 Telefone: (22) 2765-9550

Sede CamposCampos

Av. 28 de Março, 485 Centro - CEP 28.020-740 Telefone: (22) 2737-4700