O Sindipetro-NF foi informado de que ocorreu um acidente rodoviário com uma van da empresa Fiel, que presta serviços à Halliburton.

Na madrugada deste sábado, 3, às 4h, um horário em que não é seguro transitar e os procedimentos da própria empresa proíbem viagens, uma van que transportava funcionários da Halliburton para embarque no NS-31, chocou-se com um outro veículo particular.

A unidade é a mesma onde ocorreu o rompimento recente do cabo de Wireline (leia aqui). O objetivo do transporte era substituir a equipe a bordo que participou da operação que culminou com o rompimento.

O acidente com a van ocorreu na Estrada Amaral Peixoto, na altura de São Pedro d'Aldeia, sob forte neblina. O motorista do outro veículo não viu a van e atingiu sua lateral, colocando em risco todos os ocupantes. Por sorte não houve feridos.

A greve no setor de WP, que iniciou no dia 25, continua forte e tem levado a Halliburton a transferir passageiros entre aeroportos para desviar dos piquetes de convencimento que estão sendo realizados pelo sindicato nos aeroportos da região.

 

Da Imprensa da FUP e do Brasil 247 - Em um artigo no jornal britânico The Guardian, o correspondente Jonathan Watts escreve sobre a Lava Jato e lembra que, inicialmente, as investigações pareciam restritas ao PT. Mas que isso mudou.

"À medida que a escassa escala do desmembramento do processo surgiu, muitos brasileiros concentraram sua fúria em políticos – inicialmente Lula, Rousseff e no PT. Os jornais sugeriram a mensagem de que os socialistas sujos em Brasília eram totalmente responsáveis pelo problema", relata.

"A realidade era consideravelmente menos clara. Quase todos os principais partidos estão envolvidos em múltiplas e interconectadas trilhas de corrupção voltadas a governos anteriores. E foi o Partido dos Trabalhadores que implementou as reformas judiciais que permitiram que a investigação prosseguisse. Não haveria Lava Jato se o governo não tivesse nomeado, em setembro de 2013, um procurador-geral independente", diz ainda.

No texto, Watts questiona se a operação Lava Jato vale a pena. "Isso ajudou a alavancar o Partido dos Trabalhadores fora do poder e inaugurou uma administração que aparece tão contaminada, mas muito menos disposta a promover a transparência e a independência judicial", aponta. "Tantas acusações agora estão empilhadas contra Temer e seus aliados, que ele vai se esforçar para manter sua presidência até o final de seu mandato em 2018".

Segundo o jornalista, a Petrobras – o campeão nacional da era Lula – foi colocada de joelhos diante dos estrangeiros. As empresas concorrentes vão poder controlar a produção dos novos campos petrolíferos.

"As principais empresas e políticos comuns estão completamente desacreditados. Os eleitores lutam para encontrar alguém para acreditar. Não é apenas o estabelecimento que está cambaleando, mas toda a República", pontua.

"A longo prazo, muitos ainda esperam que a Lava Jato acabe por tornar o Brasil uma nação mais justa e eficiente, dirigida por políticos mais limpos e respeitadores da lei". No texto, Watts diz que existe o risco de a operação abalar "a frágil democracia" e abrir caminho para uma "teocracia evangélica de direita" ou "o retorno de ditadores". "Se esse expurgo representa ou não uma cura para o Brasil, isso não dependerá apenas de quem cai, mas de quem segue", finaliza.

Leia aqui a íntegra da matéria em inglês.

 

O NF recebeu uma denúnica sobre a ocorrência de um acidente com alto potencial de risco, a bordo da plataforma NS-31.

Pelo o quê o sindicato pôde apurar, um cabo de perfilagem rompeu em meio a uma operação complexa, causando uma acidente que, entre outras consequências, expôs a vida dos trabalhadores envolvidos.

Vale ressaltar que a maioria da a equipe oficial de WP da Halliburton Bacia de Campos enfrenta uma greve justa e cada vez mais forte, graças a intransigência da empresa em não negociar com os trabalhadores depois de cometer uma série de ilegalidades como, entre outras coisas, cortar direitos conquistados na greve de 2011 de maneira unilateral e ilegal.

Assim, o SindipetroNF averiguou que as pessoas responsáveis pela complexa operação WP a bordo da NS-31 não estão ambientadas aos equipamentos e local de trabalho e, o mais grave, o NF constatou que um dos funcionários está a bordo com suas férias em andamento há mais de três dias.

"No afã de cumprir prazos, a empresa descumpre a lei e expõe a vida de todos trabalhadoras e trabalhadores a bordo", ressaltou o Coordenador Geral, Marcos Brêda. "O que esse sindicato pede é justiça e aplicação da lei. Precarizar o salário dos trabalhadores é crime e colocar funcionários sem a devida experiência em seus períodos de férias também".

"Cada dia que passa, temos mais consciência da importância da nossa greve e da coragem dos trabalhadores e trabalhadoras envolvidos no movimento paredista, afinal, é importante a classe trabalhadora se unir nesse momento tão complicado, inclusive, para garantir a segurança em seus locais de trabalho", concluiu Brêda.

O SindipetroNF irá acionar os órgãos responsáveis contra mais essa ilegalidade e espera que a justiça seja feita para garantir a segurança e a saúde de todos e todas a bordo da unidade.

 

O Sindipetro-NF convoca aos companheiros de luta para marcar presença no ato contra a privatização da nossa empresa, nesta quinta-feira, 08, no Rio. O movimento está marcado para às 7h, no Edise.

Entendemos que é necessária a presença de movimentos sociais, estudantis, e principalmente dos trabalhadores, que são indispensáveis para esse ato em defesa da Petrobrás.

Por isso, o Norte Fluminense vai disponibilizar ônibus, com partidas tanto de Macaé quanto de Campos, para os companheiros que quiserem participar desta luta.

Os interessados podem entrar em contato com os diretores ou na própria entidade sindical. 

Devido a greve dos petroleiros da Halliburton e outras agendas de emergência a diretoria do Sindipetro-NF não poderá  embarcar nesta terça, 06, para a reunião da Cipa.

Na mesma data, haverá uma reunião da diretoria colegiada extraordinária para definir estratégias e agendas de luta que estão previstas para o mês de junho, além de tratar de assuntos como definições do acordo coletivo da Baker.

A diretoria pede a compreensão dos companheiros e destaca o quão importante e valoroso é o embarque nas reuniões de CIPA.

Os trabalhadores da P-32 encaminharam uma denúncia ao Sindipetro-NF, informando que tanto o elevador de carga, quanto o principal, da plataforma estão apresentando problemas, sendo necessária a operação manual.

Para a diretoria do Sindipetro-NF é inaceitável que os trabalhadores da hotelaria sejam obrigados a levar o rancho pelas escadas em condições totalmente inseguras em função do peso, da falta de suporte e da falta de procedimento.

A diretoria informa que já entrou em contato com o SMS responsável, que informou que irá fazer uma análise de risco e elaborar orientações e procedimentos para operação do elevador de forma manual, além de orientar a todos os gerentes que somente façam a movimentação da hotelaria pelo elevador. O SMS também se comprometeu em providenciar de forma emergencial as comprar de sobressalentes dos elevadores e priorizar o restabelecimento da operação normal desses equipamentos.

Problemas similares também foram registrados recentemente em outras plataformas. O sindicato orienta que os trabalhadores denunciem, caso outra plataforma apresente o mesmo problema.

O sindicato também irá para os órgãos competentes essa denuncia e tentar provocar uma mesa de intermediação com o Ministério do Trabalho.

 

Nesta semana, o diretor do Sindipetro-NF, Wilson Reis, não conseguiu participar da auditoria de SGSO na plataforma PNA-1, conforme previsto, por conta da comunicação inadequada realizada pela Petrobras. Ultimamente atitudes como esta tem sido recorrentes, prejudicando as ações do sindicato.

De acordo com o diretor Sérgio Borges, no início da semana, o departamento de saúde do Sindipetro enviou um e-mail confirmando a indicação do diretor Wilson Reis como representante do sindicato na auditoria. Porém, ao longo da semana não ocorreu nenhuma resposta da Petrobras sobre o cronograma das reuniões e do embarque. A diretoria então entrou em contato com a gerência de SMS da Bacia de Campos por diversas vezes, sem retorno.

Somente ontem, 01, conseguimos a informação de que o e-mail do sindicato foi encaminhado para um e-mail interno da pessoa responsável. Vale lembrar que esse e-mail só é acessado de dentro dos espaços Petrobras, e por isso, não é utilizado para comunicações imediatas, como era o este caso. Para o Sindipetro-NF, o adequado seria o contato por telefone ou pelo e-mail externo, o que não aconteceu. Esse tipo de atitude é vista pelo Sindipetro-NF como uma forma de impedir as ações do sindicato.    

"Não podemos admitir tal atitude, caso contrário a empresa vai tentar impedir a nossa participação em todas as auditorias futuras", enfatizou o diretor Sérgio Borges.

O Sindipetro repudia esse tipo de atitude e informa que irá fazer uma denúncia oficial aos órgãos competentes. Destacando que de acordo com o Cláusula 126ª - Segurança no Trabalho - Inspeções Oficiais, do act, fica acordado que a "Companhia, nos termos e limites estabelecidos na legislação, permitirá que representantes dos empregados da mesma base territorial acompanhem a fiscalização, pelos órgãos competentes, dos preceitos legais e regulamentares sobre segurança e saúde do trabalhador."

O Sindipetro-NF reitera ainda, que diante de um cenário de sucateamento das unidades operacionais, com sucessivos acidentes, a presença dos diretores nas auditorias e inspeções é fundamental.

             

[FUP] A direção da BJ/Baker quer virar no tapetão a negociação do Acordo Coletivo dos trabalhadores, que já se arrasta desde o ano passado. Após ter se comprometido a minimizar as perdas salariais, aceitando conceder um reajuste de 5% este ano e manter os 7,5% que propôs para 2016, a empresa voltou atrás e ameaça judicializar o processo, recorrendo ao dissídio.

Além da má fé negocial dos gestores, a atitude da BJ/Baker é uma afronta aos trabalhadores, que estão desde maio de 2016 (data base da categoria) acumulando perdas salariais. Nem a inflação do ano passado (9,30%), a empresa aceitou repor, mantendo-se irredutível em sua proposta de 7,5%. Após uma série de negociações e mobilizações, a FUP e seus sindicatos conseguiram que a multinacional garantisse para 2017 um reajuste total de 5%.

Nesta quinta-feira, 01/06, no entanto, em reunião com as representações sindicais, a BJ Baker voltou atrás do que havia garantido e abandonou a mesa de negociação, ameaçando propor dissídio coletivo na Justiça do Trabalho. Vale lembrar que o reajuste conquistado foi, inclusive, comunicado pela própria empresa aos seus trabalhadores.

“Após análise por parte da empresa, não conseguimos chegar ao número solicitado pelo Sindipetro/FUP para o período 2017/2018, mas propusemos garantir a inflação projetada para Maio/17 (4,5%), mais 0,5% (com teto de 5% total) para salários até R$ 8.000,00 e valor fixo para faixas acima deste salário. Este reajuste é extensivo também aos benefícios para toda a população de funcionários. Caso a inflação seja maior ou igual a 5%, a empresa se compromete, desde já, a negociar novo índice com o Sindicato”, informou a BJ/Baker em comunicação interna, divulgada em fevereiro aos trabalhadores.

É, portanto, inadmissível essa postura da empresa, após arrastar por um ano o processo de negociação com as representações sindicais, enganando e impondo aos trabalhadores perdas cada vez maiores. A FUP e seus sindicatos buscarão todos os meios necessários para evitar retrocessos e prejuízos maiores para a categoria. 

[CUT] Após encontro segunda-feira (29) em que fizeram um balanço do Ocupa Brasília na última semana, a CUT e as demais centrais sindicais irão se reunir novamente na próxima segunda-feira (5), em São Paulo, para definir um calendário de mobilizações até a próxima Greve Geral.

A expectativa é que a paralisação aconteça entre os dias 26 e 30 de junho e, como a manifestação do dia 28 de abril, também lutará contra as reformas do governo ilegítimo de Michel Temer (PMDB). Porém, conforme aponta o secretário-geral da CUT, Sérgio Nobre, terá o acréscimo do embate pelas Diretas Já.

“Todas as nossas pautas, incluindo as reformas, tratam da democracia, porque democracia pressupõe igualdade de condições e tanto os ataques à aposentadoria quanto o roubo dos direitos trabalhistas desequilibram as relações entre os mais ricos e os mais pobres, patrões e trabalhadores. Acreditamos que essa ideia está chegando à sociedade e o primeiro passo é impedir que o povo seja excluído da escolha sobre quem comandará o país. Portanto, o primeiro passo é Diretas Já!”, apontou.

O coordenador geral do Sindipetro-NF, Marcos Breda, participou ontem de audiência de conciliação no TRT1, no Rio de Janeiro, em atendimento a pedido de dissídio de greve feito pela Halliburton. Para o sindicato esse pedido não tem pertinência, pois não houve concordância da entidade.

"Estivemos na audiência para demonstrar disposição para o diálogo, para resolver a greve, mas este pedido não se aplica", explica o coordenador.

Na audiência, o sindicato relacionou os motivos da greve. O MPT (Ministério Público do Trabalho) e a desembargadora marcaram uma nova audiência, para a próxima segunda, 5, com o compromisso de que a Halliburton apresentará uma proposta que contemple as questões levantadas pela entidade.

O Sindipetro-NF marcou uma assembléia com os trabalhadores do setor de WP (Wireline e Perforating) da Halliburton para o mesmo dia da nova audiência, nesta segunda, às 18h30, na sede do sindicato em Macaé, para avaliar a proposta que será apresentada pela empresa.

 

Da Imprensa da FUP - Desde que assumiu a presidência da Petrobrás pelas mãos de um governo corrupto e golpista, Pedro Parente já cortou cerca de 55 mil postos de trabalho. Mais de 40 mil trabalhadores terceirizados foram demitidos e outros 13.270 empregados próprios deixaram a companhia, através de planos de desligamentos. Os setores que dependem diretamente dos investimentos da Petrobrás, como a indústria naval e de equipamentos, também amargam demissões em massa. Só os estaleiros já demitiram mais de 50 mil trabalhadores diretos.

Em reportagem publicada quarta-feira, 31 de maio, o jornal Valor Econômico destaca que nos últimos três anos, quase 200 mil empregos foram extintos pela estatal. "Ao fim de 2016, segundo dados publicados no formulário de referência da estatal, 186,3 mil pessoas trabalhavam no sistema Petrobras, o que representa uma redução de 50 mil trabalhadores em relação ao ano anterior", revela o jornal.

O Formulário de Referência é um documento que as empresas com ações na Bolsa de Valores disponibiliza para a Comissão de Valores Mobiliários, atualizando anualmente informações sobre atividades, fatores de risco, administração, estrutura de capital, dados financeiros, valores mobiliários emitidos e operações efetuadas, entre outras.

"A queda foi puxada, sobretudo, pelos programas de incentivo ao desligamento voluntário (PIDVs) de 2014 e 2016 e, no caso de terceirizados, pela redução do número de contratos com fornecedores, diante da queda dos volumes de investimentos da petroleira nos últimos anos. A maior parte dos cortes ocorreu entre os terceirizados: foram demitidos, ao todo, 40 mil deles só no ano passado. Desde 31 de dezembro de 2013, o número caiu 60%, de 297 mil para 117 mil trabalhadores. (...) As informações todas constam do formulário de referência divulgado esta semana pela empresa. No documento divulgado ao mercado, a Petrobras admite, na avaliação de riscos, que pode enfrentar dificuldades para, no futuro, repor as perdas de funcionários inscritos nos PIDVs. A empresa cita uma possível 'escassez de pessoal especializado'."

"Não há garantia que a companhia será capaz de treinar, qualificar ou reter adequadamente o pessoal de gestão sênior, nem que conseguirá encontrar novos gerentes qualificados, caso haja necessidade. Isto poderá afetar negativamente os resultados operacionais e os negócios da companhia", cita a Petrobrás, no Formulário de Referência de 2016.

Leia aqui a íntegra da matéria do jornal Valor.

 

O programa Questão de Base desta quinzena, publicado ontem nas redes sociais do Sindipetro-NF, traz uma abordagem sobre o cenário político brasileiro, em entrevista com o cientista social George Gomes Coutinho, professor da Universidade Federal Fluminense.

Coutinho avalia que a tendência de polarização entre as forças políticas será mantida, em um cenário de domínio do capital financeiro, que cobra por reformas que mantenham os seus ganhos, como a trabalhista e a previdenciária.

Os programas podem ser acompanhados pela #questãodebase

Confira abaixo as edições veiculadas:

 

Programa #14
Tema: A conjuntura política brasileira
Entrevistado: George Gomes Coutinho - Professor da UFF

Professor de Ciência Política da Universidade Federal Fluminense, George Gomes Coutinho atua em pesquisas sobre democracia, globalização e teoria política e social brasileira. Nesta conversa, ele aborda o quadro político do país e avalia que a tendência de polarização entre as forças políticas será mantida, em um cenário de proeminência do capital financeiro na cobrança por reformas que mantenham os seus ganhos.

Assistir: https://www.facebook.com/sindipetronf/videos/1370928092961013/

--------------------------------------------------------------------------

Programa #13
Tema: A força do racismo no Brasil e o seu combate
Entrevistada: Maria Clareth Gonçalves Reis - Professora da UENF

Doutora em Educação pela Universidade Federal Fluminense e professora da Universidade Estadual do Norte Fluminense, Maria Clareth Gonçalves Reis, coordena o Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas da Uenf, que realiza pesquisas em temas como relações étnico-raciais, identidade negra e educação escolar quilombola. Nessa entrevista, ela expõe o modo como o racismo ainda é presente na sociedade brasileira e como tem sido danosos os recuos em políticas públicas para o seu combate.

Assistir: https://www.facebook.com/sindipetronf/videos/1355385797848576/

--------------------------------------------------------------------------

Programa #12
Tema: Cenário atual e debates sobre a questão de gênero
Entrevistada: Sana Gimenes Alvarenga Domingues - Professora do Curso de Direito do Uniflu

Sana Gimenes é advogada, professora e socióloga, doutora em Sociologia Política pela Universidade Estadual do Norte Fluminense. Suas pesquisas envolvem estudos de gênero, direitos humanos e cidadania. Nesta entrevista, ela conversa sobre os debates atuais sobre o feminismo e aborda o modo como, até mesmo entre movimentos sociais e de esquerda, a questão de gênero não é devidamente priorizada.

Assistir: https://business.facebook.com/sindipetronf/videos/1338055969581559/

--------------------------------------------------------------------------

Programa #11
Tema: As muitas formas de envelhecer no Brasil
Entrevistado: Carlos Eugênio Soares - Professor da UFF

Doutor em Sociologia pela UFRJ, o professor da Universidade Federal Fluminense, Carlos Eugênio Soares, conversa neste programa sobre o idoso no Brasil, tema de suas pesquisas que envolvem questões socioantropológicas sobre o envelhecimento humano. Para ele, ainda há muito a conhecer sobre este segmento da população, que não pode ser compreendido fora de recortes como os de classe, gênero ou raça.

Assistir: https://business.facebook.com/sindipetronf/videos/1321014191285737/

--------------------------------------------------------------------------

Programa #10
Tema: Desmonte da proteção social no Brasil
Entrevistado: Miguel Rossetto - Ex-ministro da Previdência Social

O ex-ministro doTrabalho, Emprego e Previdência, Miguel Rosseto, que comandou a pasta governo Dilma Rousseff, afirma nesta entrevista ao Questão de Base que não existe rombo na Previdência. Ele também firma que as mudanças que pretendia fazer na área eram muito diferentes das propostas atualmente, mais centradas no aumento da arrecadação do que no corte de direitos dos trabalhadores.

Assistir: https://business.facebook.com/sindipetronf/videos/1309748675745622/

--------------------------------------------------------------------------

Programa #09
Tema: Pertencimento de Classe e combate ao machismo
Entrevistada: Guiomar Valdez - Professora aposentada do IFF

Mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense, com especializações em História Moderna e Contemporânea e em História do Brasil, a professora Guiomar Valdez conversa neste programa sobre a relação entre as lutas feministas e a consciência de pertencimento à classe trabalhadora. Militante de movimentos sociais, ela argumenta que o combate ao machismo também deve passar pelo combate ao capitalismo.

Assistir: https://business.facebook.com/sindipetronf/videos/1288933667827123/

--------------------------------------------------------------------------

Programa #08
Tema: Petrobrás privatizada aos pedaços
Entrevistado: Roberto Moraes - Professor do IFF

Professor e engenheiro do Instituto Federal Fluminense e pesquisador do Programa de Políticas Públicas e Formação Humana da UERJ, Roberto Moraes se dedica ao estudo dos arranjos da cadeia produtiva do petróleo. Neste programa, ele conversa sobre o processo de venda de ativos da Petrobrás, denunciado por sindicalistas como sendo, na prática, uma privatização aos pedaços.

Assistir: https://business.facebook.com/sindipetronf/videos/1270867942967029/

--------------------------------------------------------------------------

Programa #07
Tema: O discurso parcial da imprensa
Entrevistado: Sérgio Arruda de Moura - Professor da UENF

Professor e pesquisador do Centro de Ciências do Homem, da Universidade Estadual do Norte Fluminense, Sérgio Arruda de Moura conversa nessa entrevista sobre impossibilidade de isenção no conteúdo da imprensa. Especialista em análise do discurso na literatura e no jornalismo, ele critica o modo como a mídia brasileira não admite a sua parcialidade, especialmente na cobertura política.

Assistir: https://business.facebook.com/sindipetronf/videos/1203586843028473/

--------------------------------------------------------------------------

Programa #06
Tema: Raízes do autoritarismo brasileiro
Entrevistado: José Luis Vianna da Cruz - Professor da UFF

José Luis Vianna da Cruz é sociólogo, professor da Universidade Federal Fluminense, e conversa nesta entrevista sobre as raízes do autoritarismo brasileiro. O pesquisador fala sobre o modo como traços violentos da cultura do país têm relação com a nossa formação histórica e impactam na política, no mundo do trabalho e nos costumes.

Assistir: https://business.facebook.com/sindipetronf/videos/1183097668410724/

--------------------------------------------------------------------------

Programa #05
Tema: Impactos da Nanotecnologia
Entrevistado: Paulo Roberto Martins - Coordenador da Renanosoma

Doutor em ciências sociais pelo Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp, Paulo Roberto Martins é coordenador da Rede de Pesquisa em Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente. Nesta entrevista, ele fala sobre como os reais impactos da tecnologia nano ainda são desconhecidos e sobre a falta de recursos para a pesquisa na área.

Assistir: https://business.facebook.com/sindipetronf/videos/1166275630092928/

--------------------------------------------------------------------------

Programa #04
Tema: Militância nas redes sociais
Entrevistada: Maria Goretti Nagime - Advogada e professora

Maria Goretti Nagime é uma advogada e professora, mestranda em Sociologia Política, que ganhou visibilidade pelo modo como usa seu perfil no Facebook para discutir a conjuntura do País. Nesta conversa ela fala sobre essa forma horizontal de participação na vida pública e defende que o Brasil vive um período de exceção, que será reconhecido pela história como golpe.

Assistir: https://business.facebook.com/sindipetronf/videos/1152695121450979/

--------------------------------------------------------------------------

Programa #03
Tema: Exposição e riscos do benzeno
Entrevistada: Arline Sydneia Abel Arcuri - Doutora em ciências pela USP

Doutora em ciências pela Universidade de São Paulo, Arline Sydneia Abel Arcuri, tem se dedicado a pesquisas sobre os impactos de agentes químicos na saúde dos trabalhadores e no meio ambiente. Neste programa, ela conversa sobre a exposição e os danos do benzeno, presente na cadeia produtiva do petróleo e em diversos outros ambientes de trabalho.

Assistir: https://business.facebook.com/sindipetronf/videos/1136221889764969/

--------------------------------------------------------------------------

Programa #02
Tema: O futuro da esquerda
Entrevistado: Leonardo Boff - Teólogo, filósofo e escritor

Teólogo, filósofo e escritor, Leonardo Boff é uma das principais referências dos humanistas brasileiros e de dezenas de outros países que publicam suas obras. Neste programa, ele conversa sobre o futuro das esquerdas e dos movimentos sociais, em tempos de retomada de teses conservadoras na política, nos costumes e na religião.

Assistir: https://business.facebook.com/sindipetronf/videos/1126963577357467/

--------------------------------------------------------------------------

Programa #01
Tema: Medicina em Cuba
Entrevistada: Beatriz Silva do Nascimento - Estudante brasileira de medicina em Cuba

Beatriz Silva do Nascimento é uma universitária brasileira em Cuba. Integrante de um programa do MST que envia assentados para a Escola Latino Americana de Medicina, ela conversa neste programa sobre a formação humanística dos médicos no país, treinados desde cedo para estarem mais próximos da população.

Assistir: https://business.facebook.com/sindipetronf/videos/1112340122153146/

--------------------------------------------------------------------------

Pagina 9 de 687

Sede MacaéMacaé

Rua Tenente Rui Lopes Ribeiro, 257 Centro - CEP 27910-330 Telefone: (22) 2765-9550

Sede CamposCampos

Av. 28 de Março, 485 Centro - CEP 28.020-740 Telefone: (22) 2737-4700